“Quem tira político ‘ruim’ é o voto”, afirma Maguito

Ex-senador, uma das principais lideranças do PMDB e atual prefeito da segunda maior cidade de Goiás, Maguito Vilela é totalmente contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff; ele contraria até mesmo o posicionamento de seu filho, o deputado federal Daniel Vilela (PMDB); "Quem tira político ‘ruim’ do poder é voto. Quem tira do poder político desonesto é a Justiça ou o Congresso Nacional por meio de impeachment, mas para isso é preciso ter uma base política sólida e eu ainda não enxerguei essa base. Se fosse assim, metade ou mais dos governadores e prefeitos do Brasil teria que sofrer impeachment também”

maguito
maguito (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - Ex-senador, uma das principais lideranças do PMDB e atual prefeito da segunda maior cidade de Goiás, Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela é totalmente contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Em entrevista nesta semana, Maguito afirmou que não enxerga base jurídica ou política que justifique a saída de Dilma.

“Quem tira político ‘ruim’ do poder é voto. Quem tira do poder político desonesto é a Justiça ou o Congresso Nacional por meio de impeachment, mas para isso é preciso ter uma base política sólida e eu ainda não enxerguei essa base. Se fosse assim, metade ou mais dos governadores e prefeitos do Brasil teria que sofrer impeachment também”.

O posicionamento de Maguito contraria o PMDB goiano, que é a favor do impeachment, e também está na contramão do que pensa seu filho, o deputado federal Daniel Vilela, que já se manifestou a favor da saída da presidente. O prefeito criticou ainda as gravações que atingiram Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Quando gravaram a presidente cometeram o maior crime, pois gravar a presidente é gravar segredos do Estado. Em qualquer lugar do mundo, seria uma acusação gravíssima. Isso vem ocorrendo graças a instituições que estão colocando o País às avessas. Esses vazamentos estão mais para ditadura do que para democracia”, sentencia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247