Receita de empresa russa de segurança cibernética Kaspersky Lab sobe 8% em 2017, apesar de proibição nos EUA

As vendas na América do Norte caíram 8 por cento ano a ano devido a “desafios geopolíticos e alegações infundadas”, disse a Kaspersky Lab em um comunicado.

Receita de empresa russa de segurança cibernética Kaspersky Lab sobe 8% em 2017, apesar de proibição nos EUA
Receita de empresa russa de segurança cibernética Kaspersky Lab sobe 8% em 2017, apesar de proibição nos EUA
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A empresa russa de segurança cibernética Kaspersky Lab disse na sexta-feira que sua receita aumentou 8 por cento em 2017 ante 2016, embora as vendas tenham caído na América do Norte por causa de alegações sobre seus laços com o governo russo.

Os Estados Unidos proibiram em setembro as agências civis governamentais de usarem produtos da Kaspersky, em meio a uma crescente preocupação de autoridades dos EUA de que o software poderia ser explorado por agências russas de espionagem.

A Kaspersky repetidamente negou que tenha vínculos com qualquer governo, dizendo que não ajudaria a Rússia ou outros países com espionagem cibernética.

A receita totalizou 698 milhões de dólares em 2017, ante 644 milhões de dólares no ano anterior, mas um pouco abaixo do alvo de mais de mais de 700 milhões de dólares estabelecidos pelo fundador e CEO Eugene Kaspersky em entrevista à Reuters em outubro.

As vendas na América do Norte caíram 8 por cento ano a ano devido a “desafios geopolíticos e alegações infundadas”, disse a Kaspersky Lab em um comunicado.

As vendas europeias recuaram 2 por cento ante 2016, mas isso foi compensado por fortes resultados na América Latina, bem como na Rússia e na Comunidade de Estados Independentes, disse a Kaspersky.

“Apesar da difícil situação geopolítica, acusações infundadas e tentativas de minar nossos negócios, a empresa mantém dinâmicas positivas ”, disse Eugene Kaspersky.

Por Jack Stubbs

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247