Rejeitado por 73%, Alckmin diz querer ser 'presidente do povo brasileiro'

Parece piada, mas não é; o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta quinta-feira, 31, que quer ser o "presidente do povo brasileiro"; "Quero dizer que elite, não. Quero ser o presidente do povo brasileiro, de empresários que geram empregos, do povo sacrificado do Brasil, injustiçado", disse Alckmin, ao comentar um estudo da consultoria Eurasia que classificou o tucano como a "Hillary Clinton do Brasil"; problema é que 73% dos brasileiros o rejeitam, segundo a pesquisa Ipsos; talvez porque o PSDB, partido de Alckmin, foi o principal responsável pelo golpe parlamentar de 2016, que destruiu empregos, provocou o maior rombo fiscal da história e a sacrificou o povo brasileiro

São Paulo - O governador Geraldo Alckmin anunciou o adiamento da reorganização escolar, a coletiva foi realizada no Palácio dos Bandeirantes. (SECOM/ Gov.de SP)
São Paulo - O governador Geraldo Alckmin anunciou o adiamento da reorganização escolar, a coletiva foi realizada no Palácio dos Bandeirantes. (SECOM/ Gov.de SP) (Foto: Leonardo Lucena)

SP 247 - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta quinta-feira (31) que quer ser o "presidente do povo brasileiro", ao comentar um estudo da consultoria Eurasia que classificou o tucano como a "Hillary Clinton do Brasil". A democrata, que perdeu a disputa presidencial no ano passado, foi identificada como candidata do establishment (elite política), assim como seria o chefe do executivo paulista.

"Quero dizer que elite, não. Quero ser o presidente do povo brasileiro, de empresários que geram empregos, do povo sacrificado do Brasil, injustiçado. O que eu quero deixar claro é que a boa política, a política correta, que não se verga e tem princípios é que vai por o Brasil no rumo", disse o governador. Seu relato foi publicado no Globo.

O problema é que o governador tucano é rejeitado por 73% dos brasileiros, segundo a pesquisa Ipsos. Talvez porque o PSDB, partido de Alckmin, foi o principal responsável pelo golpe parlamentar de 2016, que destruiu empregos, provocou o maior rombo fiscal da história e a sacrificou o povo brasileiro.

Questionado se é o melhor nome para colocar o país no rumo, Geraldo Alckmin disparou que "a modéstia me permite não responder".

Sobre a comparação da consultoria, o tucano disse que "não é Hillary, é hilário". "Porque se conhecessem um pouquinho o Brasil, iam saber que a Hillary teria ganho a eleição no Brasil, que ela teve quase três milhões de votos a mais do que (o presidente americano Donald) Trump. Ela perdeu porque o modelo americano é diferente, né? Eu tô acostumado (porque) na última eleição diziam que eu não ganharia por causa da crise hídrica. Ganhei no primeiro turno e dos 645 municípios, eu venci em 644. Fato inédito, né?", disse.

Fundada em 1998 para avaliar cenários e riscos para investidores e empresários, a Consultoria Eurasia analisa o impacto da política nas oportunidades em mercados estrangeiros. 

No ano passado, a Eurasia abriu um escritório em São Paulo - já está presente em Washington, San Francisco, Londres, Cingapura e Tóquio.






Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247