Ronaldinho Gaúcho perde R$ 1,5 milhão da Coca-Cola

Multinacional anunciou fim do patrocínio ao jogador do Atlético-MG; seguidas confusões no Flamengo foram um dos motivos; time mineiro é patrocinado pela Pepsi, principal concorrente da gigante dos refrigerantes

Ronaldinho Gaúcho perde R$ 1,5 milhão da Coca-Cola
Ronaldinho Gaúcho perde R$ 1,5 milhão da Coca-Cola (Foto: Bruno Cantini/ Atlético Mineiro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – Ele já chegou a ter 11 patrocinadores. Voltou ao Brasil como super estrela, foi disputado por vários clubes do primeiro escalão do futebol brasileiro. Agora a estrela de Ronaldinho Gaúcho já não brilha tanto e o craque perde a cada dia status e, principalmente, dinheiro. O novo desfalque na conta bancária de R49 será feito pela Coca Cola. Em nota, a empresa anunciou o fim da parceria que rendia a Gaúcho R$ 1,5 mi por ano.

A multinacional alega “significativa alteração das condições sob as quais foi selada a parceria” para desfazer o acordo. Implícitos na nota estão vários fatos: Ronaldinho já não é uma celebridade a ponto de influenciar muita gente a beber mais refrigerante. No período em que morou no Rio de Janeiro se envolveu em várias confusões que mancharam sua imagem. Por fim, para complicar ainda mais, o Atlético Mineiro, atual clube de Gaúcho, é patrocinado pela Pepsi, arquirrival da Coca Cola.

Confira a matéria do jornalista Lucas Tieppo, no site Uol

A Coca-Cola anunciou nesta segunda-feira que chegou ao fim a parceria que tinha com Ronaldinho Gaúcho, hoje jogador do Atlético-MG, para a exploração da sua imagem. O vínculo durou pouco menos de um ano e renderia R$ 1,5 milhão por ano ao atleta.

Assinado em novembro do ano passado, quando ainda vestia a camisa do Flamengo, o contrato com a fabricante de refrigerantes tinha duração até a Copa do Mundo de 2014, porém, foi encerrado por iniciativa da própria empresa.

Um dos motivos que teriam levado ao fim do contrato é o fato de a Pepsi, concorrente da Coca no mercado de refrigerantes, ser patrocinadora do Atlético. Na sua apresentação no time mineiro, por exemplo, o meia esta cercado de latinhas da marca. Além disso, as constantes notícias negativas sobre o jogador também pesaram.

“A Coca-Cola Brasil reconhece a trajetória e o valor do jogador Ronaldinho Gaúcho. No entanto, tendo em vista a significativa alteração das condições sob as quais foi selada a parceria, a continuidade da relação tornou-se inviável”, diz a curta nota oficial da empresa sobre o caso.

Apesar de ter sido assinado em novembro do ano passado, a empresa ainda não havia realizado nenhuma ação publicitaria com Gaúcho, mas planejava algumas peças para o ano.

Depois de ser um dos jogadores mais requisitados pelas empresas em 2006, quando chegou a ter 11 patrocinadores, o meia tem perdido espaço na mídia para as novas estrelas, como Neymar, tanto que sua passagem pelo Flamengo pode ser considerada um fracasso na renda gerada através da utilização da sua imagem.

Assis, irmão e empresário de Ronaldinho Gaúcho, foi procurado pela reportagem, mas não retornou as ligações.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247