RS Acolhedor amplia rede de assistência em saúde

O governo estadual, por meio da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social (STDS), lançou o Programa RS Acolhedor; a iniciativa, pioneira no Rio Grande do Sul, tem por objetivo hospedar acompanhantes de pacientes em tratamento médico fora de sua cidade de origem; o projeto começa por Porto Alegre e tem capacidade de 4,7 mil diárias/ano; segundo o governador José Ivo Sartori, "esse programa vem para apoiar quem passa por um momento difícil"; "Dar suporte ao acompanhante, que precisa não somente de uma estrutura física para pernoitar, mas também, de apoio psicológico, de acolhimento, de uma ação humanitária", disse

O governo estadual, por meio da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social (STDS), lançou o Programa RS Acolhedor; a iniciativa, pioneira no Rio Grande do Sul, tem por objetivo hospedar acompanhantes de pacientes em tratamento médico fora de sua cidade de origem; o projeto começa por Porto Alegre e tem capacidade de 4,7 mil diárias/ano; segundo o governador José Ivo Sartori, "esse programa vem para apoiar quem passa por um momento difícil"; "Dar suporte ao acompanhante, que precisa não somente de uma estrutura física para pernoitar, mas também, de apoio psicológico, de acolhimento, de uma ação humanitária", disse
O governo estadual, por meio da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social (STDS), lançou o Programa RS Acolhedor; a iniciativa, pioneira no Rio Grande do Sul, tem por objetivo hospedar acompanhantes de pacientes em tratamento médico fora de sua cidade de origem; o projeto começa por Porto Alegre e tem capacidade de 4,7 mil diárias/ano; segundo o governador José Ivo Sartori, "esse programa vem para apoiar quem passa por um momento difícil"; "Dar suporte ao acompanhante, que precisa não somente de uma estrutura física para pernoitar, mas também, de apoio psicológico, de acolhimento, de uma ação humanitária", disse (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul 247 - O governo estadual, por meio da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social (STDS), lançou nesta quarta-feira (4), o Programa RS Acolhedor. A iniciativa, pioneira no Rio Grande do Sul, tem por objetivo hospedar acompanhantes de pacientes em tratamento médico fora de sua cidade de origem. O projeto começa por Porto Alegre e tem capacidade de 4,7 mil diárias/ano. 

Segundo o governador José Ivo Sartori, "esse programa vem para apoiar quem passa por um momento difícil". "Dar suporte ao acompanhante, que precisa não somente de uma estrutura física para pernoitar, mas também, de apoio psicológico, de acolhimento, de uma ação humanitária", disse. 

Conforme o secretário do Trabalho e do Desenvolvimento Social, Miki Breier, o investimento do Estado no convênio é de R$ 400 mil, que será executado ao longo de 12 meses. "Desta maneira, vamos amparar estas famílias que estão em tratamento de saúde, com o oferecimento de todos os serviços de hospedagem, como alimentação, cuidados de higiene e outras atividades", explicou. 

De acordo com a presidente do Conselho Estadual de Assistência Social, Léa Maria Biasi o convênio é modelar, "muitos lutaram para que fosse reconhecido e finalmente, aplicado".

O programa

O RS Acolhedor é um dos projetos prioritários do governo do Estado e oferece acolhimento diário a pacientes e acompanhantes do interior, que buscam atendimento médico especializado na capital. O convênio foi assinado com a Associação Beith Shalom que, através da Casa de Acolhimento Apascentar, que já atua no acolhimento voluntário de acompanhantes de pacientes em tratamento de saúde em Porto Alegre. 

A Casa de Acolhimento Apascentar oferece pensão completa e possui 12 vagas na ala feminina e oito na masculina. Ao todo, sete profissionais auxiliam a equipe da associação na organização do acolhimento: duas psicólogas, uma assistente social e duas agentes administrativas.  

O projeto começa por Porto Alegre e tem capacidade de 4,7 mil diárias/ano. Na STDS, o RS Acolhedor será acompanhado pelo Serviço de Proteção Especial de Alta Complexidade da Política de Assistência Social, e ofertado preferencialmente a famílias cadastradas no Programa Bolsa Família e em situação de vulnerabilidade social de cidades do interior.

*Com assessoria

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247