RS perde 34% da produção de trigo nesta safra

No encerramento da safra de trigo no Rio Grande do Sul, as últimas cargas retiradas das lavouras confirmam um péssimo cenário para a triticultura; segundo o Informativo Conjuntural, elaborado pela Emater/RS-Ascar, embora a produtividade média obtida este ano (1.693 kg/ha) fique 19,48% maior que a do ano passado (1.417 kg/ha), a produção total cai para 1,489 milhão de toneladas, ficando 10,87% menor que a do ano passado (1,670 milhão de t); se levada em conta a estimativa inicial para esta safra, que era de 2,269 milhões de toneladas, a diferença fica em - 34,38%

O clima chuvoso em junho e as fortes geadas da segunda quinzena de julho prejudicaram principalmente as lavouras de trigo, café e a segunda safra do milho, no Paraná. 
Foto: ANPr
O clima chuvoso em junho e as fortes geadas da segunda quinzena de julho prejudicaram principalmente as lavouras de trigo, café e a segunda safra do milho, no Paraná. Foto: ANPr (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul - No encerramento da safra de trigo no Rio Grande do Sul, as últimas cargas retiradas das lavouras confirmam um péssimo cenário para a triticultura, com as produtividades ficando abaixo das obtidas nas lavouras plantadas mais precocemente. Com a colheita encerrada, os resultados (ou prejuízos) parecem estar consolidados e o clima foi bastante decisivo para o resultado desta safra.

De acordo com o Informativo Conjuntural, elaborado pela Emater/RS-Ascar, a situação das lavouras de trigo e os números refletem as péssimas condições enfrentadas pela cultura ao longo de todo seu ciclo. Embora a produtividade média obtida este ano (1.693 kg/ha) fique 19,48% maior que a do ano passado (1.417 kg/ha), a produção total cai para 1,489 milhão de toneladas, ficando 10,87% menor que a do ano passado (1,670 milhão de t). Se levada em conta a estimativa inicial para esta safra, que era de 2,269 milhões de toneladas, a diferença fica em - 34,38%.

Esta aparente contradição se explica pela significativa redução na área plantada. Este último levantamento, da segunda quinzena de novembro, indica que o estado semeou apenas 879,5 mil ha, contra os 1,180 milhão plantado no ano passado: uma redução de 25,48%.

Durante o ciclo do trigo ocorreram intensas precipitações, mais concentradas no período do plantio e próximas à colheita, comprometendo a formação inicial das lavouras e a qualidade final do produto. Além das fortes chuvas, houve queda de granizo e ventos fortes em áreas menores, com formação de geada tardia, quando a cultura estava em floração/formação do grão, estádio suscetível ao frio.

Embora o controle de doenças tenha sido eficiente, sendo constatada baixa incidência de doenças na espiga, colmo e folhas, os grãos em fase final de ciclo (maturação) foram infectados por fungos produtores de toxinas, provocando perda de qualidade do grão, com restrições ao consumo humano e animal.

Todavia, mais do que uma redução significativa na oferta do produto, é a péssima qualidade do pouco que foi colhido, impedindo que o produtor possa mitigar seu prejuízo.

Fonte: Assessoria

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247