Rui deve anunciar minirreforma até dia 15

O governador Rui Costa admite que o anúncio da tão esperada 'minirreforma' no seu secretariado não passará dos primeiros 15 dias de 2017, mas quem sai e quem entra ainda é uma incógnita; "Até o fim do ano eu começo a anunciar, ou nas primeiras semanas de janeiro já vou fazer isso. Eu não quero entrar em janeiro. Para quem entrar possa ter o ano pleno para desenvolver o seu trabalho", diz Rui; de certo, é esperada a saída do secretário das Relações Institucionais, Josias Gomes; ele vem acumulando queixas de prefeitos e lideranças políticas do interior pelo trato com os aliados; são cotados para deixar o governo também Jorge Portugal, da Secretaria da Cultura, Vitor Bonfim, da Secretaria de Agricultura, e Carlos Martins, da pasta de Desenvolvimento Urbano

Rui Costa
Rui Costa (Foto: Romulo Faro)

Tribuna da Bahia - O governador Rui Costa admite que o anúncio da tão esperada 'minirreforma' no seu secretariado não passará dos primeiros 15 dias de 2017, mas quem sai e quem entra ainda é uma incógnita. "Até o fim do ano eu começo a anunciar, ou nas primeiras semanas de janeiro já vou fazer isso. Eu não quero entrar em janeiro. Para quem entrar possa ter o ano pleno para desenvolver o seu trabalho", diz Rui.

De certo, é esperada a saída do secretário das Relações Institucionais (Serin), Josias Gomes (deputado federal licenciado – PT). Ele vem acumulando queixas de prefeitos e lideranças políticas do interior pelo trato com os aliados. Com a possível saída de Josias, é esperada uma aproximação maior de Jaques Wagner (presidente Conselho de Desenvolvimento Econômico da Bahia) na articulação política de Rui. Deputados estaduais governistas também se queixam de Josias Gomes nos bastidores. Para o lugar dele, é o chefe de gabinete do governador, Cícero Monteiro.

Além de Josias Gomes, é especulada também a saída de Jorge Portugal da Secretaria da Cultura e do deputado estadual licenciado Vitor Bonfim (PDT) da Secretaria de Agricultura do Estado (Seagri) e Carlos Martins da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Governo do Estado da Bahia (Sedur), que abriria espaço para algum aliado de primeira hora e passaria a comandar a Casa Civil no lugar de Bruno Dauster, que poderá ser aproveitado em outra função no Estado.

Na seara das possibilidades sobre novos secretários, há expectativa de o PSD, partido do senador Otto Alencar, ser contemplado com mais uma secretaria no governo de Rui Costa. A Sedur seria a aposta. Já para a Seagri, o secretário Vitor Bonfim estaria tentando emplacar em seu lugar seu irmão Guilherme Bonfim. Mas não há informação sobre o governador estar disposto a aceitar ou não a indicação.

Ainda, começou a circular no governo com intensidade a informação de que o governador Rui Costa (deve substituir o atual secretário estadual do Trabalho, Álvaro Gomes, por Olívia Santana, que cuida da pasta de Políticas para as Mulheres. Os dois pertencem ao mesmo partido, o PCdoB. Mas Gomes, até o momento, não teria apresentado os resultados esperados pelo governo ao passo que Olívia está em alta com o governador.

Se desistir, Nilo pode ganhar espaço

Quem também quer ampliar seu espaço na administração estadual é o PSL, do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo.
Conforme a Tribuna publicou, o governador Rui Costa, em articulação com o vice, João Leão (PP), ofereceu a Nilo uma secretaria em troca de ele abrir caminho para algum candidato da base governista à presidência da Assembleia Legislativa, que ele já comanda há 10 anos.

Mas Nilo queria além do cargo a garantia de que ele teria uma das duas vagas de candidato ao Senado em 2018 na chapa majoritária que será encabeçada pela candidatura de reeleição de Rui ao governo do Estado.

A condição de Nilo não foi aceita, mas a proposta de ele assumir uma secretaria no governo ainda está de pé. Pelo menos é o que garante o vice-governador João Leão. O senador Otto Alencar e Leão avaliaram em entrevista à Tribuna que Marcelo Nilo fortaleceria seu nome para pavimentar o caminho à candidatura ao Senado pela chapa governista.

Mas por ora, tudo é especulação e a expectativa é de que os novos secretários ainda sejam anunciados mesmo até o dia 15 de janeiro. Em entrevista, o governador confirmou que não há uma data estabelecida, e disse que mexer no secretariado "é como montar um quebra-cabeça".

Ao vivo na TV 247 Youtube 247