Sartori espera diálogo para superar crise no RS

Ao deixar o ministério da Fazenda hoje em Brasília, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, disse que ainda não tem uma solução para o bloqueio das contas do estado pela União, medida adotado pelo governo federal em razão do não pagamento, pelo estado, da parcela da dívida referente ao mês de julho; "Ninguém passou calote nenhum: apenas não cumprimos uma parte [do acordo com a União]", afirmou Sartori

Ao deixar o ministério da Fazenda hoje em Brasília, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, disse que ainda não tem uma solução para o bloqueio das contas do estado pela União, medida adotado pelo governo federal em razão do não pagamento, pelo estado, da parcela da dívida referente ao mês de julho; "Ninguém passou calote nenhum: apenas não cumprimos uma parte [do acordo com a União]", afirmou Sartori
Ao deixar o ministério da Fazenda hoje em Brasília, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, disse que ainda não tem uma solução para o bloqueio das contas do estado pela União, medida adotado pelo governo federal em razão do não pagamento, pelo estado, da parcela da dívida referente ao mês de julho; "Ninguém passou calote nenhum: apenas não cumprimos uma parte [do acordo com a União]", afirmou Sartori (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Daniel Lima – Repórter da Agência Brasil

Ao deixar nesta quarta-feira (12) o ministério da Fazenda, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, disse que ainda não tem uma solução para o bloqueio das contas do estado pela União.

Dando cumprimento à lei, o governo federal determinou o bloqueio das contas em razão do não pagamento, pelo estado, da parcela da dívida com a União referente ao mês de julho. Enfrentando dificuldades financeiras, o governo do Rio Grande do Sul decidiu pagar os salários atrasados dos servidores. Em compensação, suspendeu as obrigações com a União.

Sartori disse que a atitude adotada pelo Rio Grande do Sul não constitui confronto com o governo federal. Evitou também apontar culpados pela dívida do estado. "Ninguém passou calote nenhum: apenas não cumprimos uma parte [do acordo com a União]", disse.

O governador foi recebido pelo Secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, mas não conseguiu encontrar-se com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, como constava na agenda. Sartori não informou como o problema - após o bloqueio da União – será resolvido.

"Quanto ao futuro eu devo dizer com toda a tranquilidade do mundo: por enquanto, os servidores foram pagos", acrescentou.

Segundo Sartori, assim como o governo federal vem realizando um ajuste fiscal, o estado do Rio Grande do Sul também tem cumprido metas e ações com a finalidade de viabilizar as condições para que estado melhore financeiramente.

"Evidentemente vamos estudar qual a melhor maneira e a melhor solução. Não é uma situação momentânea. Ela vai se prolongar em outras ocasiões", observou.

Para Sartori, a obrigado do governo estadual é buscar o diálogo. "Esperamos compreensão e uma solidariedade ativa em relação às finanças do Rio Grande do Sul", disse.

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), que também esteve no Ministério da Fazenda, o ano de 2015 é complexo em razão do ajuste fiscal. Acrescentou, porém, que os estados não podem ser prejudicados porque um determinado "ente federativo não fez o dever de casa ou não cumpriu com o dever fiscal".

No Ministério da Fazenda, Camilo Santana tratou da liberação de créditos oriundos de organismos internacionais, entre eles o Banco Interamericano de Desenvolvimento, para obras que estão em andamento no estado, como estradas e na área da saúde.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email