Secretário da Fazenda de SP defende o fim da estabilidade

Renato Villela defende o fim da estabilidade do funcionário público, porque entende que o regime do servidor tende a agravar os efeitos da crise econômica e aumentar o desemprego na iniciativa privada; também afirma que o ajuste do governo federal mais eficaz poderia vir do corte de programas e não simplesmente de ministérios; o Estado já elevou o ICMS sobre fumo e cerveja e adotou o contingenciamento de R$ 6,8 bilhões para reverter os efeitos da crise: "São projetos que estavam no orçamento e que estão sendo descontinuados dentro desse contingenciamento. Eles só vão se iniciar se houver uma reversão da atividade econômica e se a receita voltar a crescer", disse

Renato Villela defende o fim da estabilidade do funcionário público, porque entende que o regime do servidor tende a agravar os efeitos da crise econômica e aumentar o desemprego na iniciativa privada; também afirma que o ajuste do governo federal mais eficaz poderia vir do corte de programas e não simplesmente de ministérios; o Estado já elevou o ICMS sobre fumo e cerveja e adotou o contingenciamento de R$ 6,8 bilhões para reverter os efeitos da crise: "São projetos que estavam no orçamento e que estão sendo descontinuados dentro desse contingenciamento. Eles só vão se iniciar se houver uma reversão da atividade econômica e se a receita voltar a crescer", disse
Renato Villela defende o fim da estabilidade do funcionário público, porque entende que o regime do servidor tende a agravar os efeitos da crise econômica e aumentar o desemprego na iniciativa privada; também afirma que o ajuste do governo federal mais eficaz poderia vir do corte de programas e não simplesmente de ministérios; o Estado já elevou o ICMS sobre fumo e cerveja e adotou o contingenciamento de R$ 6,8 bilhões para reverter os efeitos da crise: "São projetos que estavam no orçamento e que estão sendo descontinuados dentro desse contingenciamento. Eles só vão se iniciar se houver uma reversão da atividade econômica e se a receita voltar a crescer", disse (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O secretário da Fazenda de São Paulo, Renato Villela, defende o fim da estabilidade do funcionário público, porque entende que o regime do servidor tende a agravar os efeitos da crise econômica e aumentar o desemprego na iniciativa privada.

Em entrevista ao ‘Valor’, ele também afirma que o ajuste do governo federal mais eficaz poderia vir do corte de programas e não simplesmente de ministérios.

São Paulo deve levar uma proposta própria para o pagamento da dívida dos Estados com a União à reunião de governadores prevista para o início de fevereiro. Estado ja elevou o ICMS sobre fumo e cerveja e adotou o contingenciamento de R$ 6,8 bilhões. "São projetos que estavam no orçamento e que estão sendo descontinuados dentro desse contingenciamento. Eles só vão se iniciar se houver uma reversão da atividade econômica e se a receita voltar a crescer", disse. Obras de expansão do metrô e para o combate à crise hídrica serão afetadas (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247