Sem Pré-Caju, Governo e PMA economizaram R$ 2 mi

Não realização do Pré-Caju implica em uma boa economia para os cofres da Prefeitura de Aracaju e do Governo do Estado, que juntos, economizaram, numa estimativa muito modesta, mais de R$ 2 milhões; números foram fornecidos pelo poder público ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju, que solicitou informações sobre as cifras que foram aplicadas nos últimos anos, durante a realização da festa; não há investimentos diretos, mas a infraestrutura logística gera uma despesa razoável para o poder público, que custeia pagamento de diárias, horas extras, combustível, alimentação de guardas municipais, fiscais da SMTT, policiais militares, bombeiros, SAMU e servidores da secretaria de Saúde

Não realização do Pré-Caju implica em uma boa economia para os cofres da Prefeitura de Aracaju e do Governo do Estado, que juntos, economizaram, numa estimativa muito modesta, mais de R$ 2 milhões; números foram fornecidos pelo poder público ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju, que solicitou informações sobre as cifras que foram aplicadas nos últimos anos, durante a realização da festa; não há investimentos diretos, mas a infraestrutura logística gera uma despesa razoável para o poder público, que custeia pagamento de diárias, horas extras, combustível, alimentação de guardas municipais, fiscais da SMTT, policiais militares, bombeiros, SAMU e servidores da secretaria de Saúde
Não realização do Pré-Caju implica em uma boa economia para os cofres da Prefeitura de Aracaju e do Governo do Estado, que juntos, economizaram, numa estimativa muito modesta, mais de R$ 2 milhões; números foram fornecidos pelo poder público ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju, que solicitou informações sobre as cifras que foram aplicadas nos últimos anos, durante a realização da festa; não há investimentos diretos, mas a infraestrutura logística gera uma despesa razoável para o poder público, que custeia pagamento de diárias, horas extras, combustível, alimentação de guardas municipais, fiscais da SMTT, policiais militares, bombeiros, SAMU e servidores da secretaria de Saúde (Foto: Valter Lima)

Max Augusto, do Jornal da Cidade - Que fique claro: O Pré-Caju, tradicional prévia carnavalesca da capital sergipana, não aconteceu porque uma decisão judicial impediu a entidade responsável pela festa, a Associação Sergipana de Blocos e Trios (ASBT), de realizar eventos. De qualquer forma, a não realização do evento implica em uma boa economia para os cofres da Prefeitura de Aracaju e do Governo do Estado, que juntos, economizaram, numa estimativa muito modesta, mais de R$ 2 milhões.

Os números foram fornecidos pelo poder público ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju, que solicitou informações sobre as cifras que foram aplicadas nos últimos anos, durante a realização da festa. Não há investimentos diretos, mas a infraestrutura logística gera uma despesa razoável para o poder público, que custeia pagamento de diárias, horas extras, combustível, alimentação de guardas municipais, fiscais da SMTT, policiais militares, bombeiros, SAMU e servidores da secretaria de Saúde.

A estimativa é incompleta e o valor dos recursos públicos investidos pode ser bem maior. Mas já é possível ter uma ideia da dimensão do quanto do dinheiro do contribuinte é empregado.

PM
Um dos maiores gastos é com a Polícia Militar. Além de custear combustível e alimentação da tropa, o estado arca ainda com o pagamento da Gratificação por Eventos (GRAE), criada durante o governo de Marcelo Déda (PT). Somadas estas despesas, nos últimos cinco anos o governo do Estado gastou aproximadamente 2,9 milhões. Só em 2013 foram R$ 828 mil – quase o dobro dos R$ 467 investidos em 2012. Em 2009 foram gastos R$ 504 mil; em 2010, R$ 570 mil e em 2011, R$ 529 mil.

O representante do Fórum de Defesa da Grande Aracaju, José Firmo, lembra ainda que não estão incluídos aí os gastos com o Corpo de Bombeiros, que também destina parte de sua tropa para atuar no evento. Há ainda a Secretaria de Comunicação, que de acordo com José Firmo, entre 2009 e 2013 investiu R$ 443 mil no Bloco da Prevenção e outros R$ 146 mil no bloco Caranguejo Elétrico.

Banese
Também de acordo com o levantamento realizado pelo Fórum, o Banco do Estado de Sergipe é um tradicional apoiador do evento que nos últimos anos vem gerando tanta polêmica. Na qualidade de empresa, ele investe no Pré-Caju recursos destinados ao marketing, sendo que em 2013, foram aplicados R$ 400 mil – mesmo valor de dois anos antes, em 2011. Em 2012 o montante chegou a ser maior, foram R$ 500 mil. Em 2009 e 2010 foram R$ 300 mil por ano.

Com isso é possível contabilizar, de forma aproximada, quanto o Governo de Sergipe gastou com o Pré-Caju, apenas entre os anos de 2009 e 2013: foram cerca de R$ 5,4 milhões – sem incluir aí os gastos com o Corpo de Bombeiros.

PMA
Ainda que em menor proporção, a Prefeitura de Aracaju também tem gastos com a festa. Dados enviados ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju apontam que no Pré-Caju 2013 só a SMTT investiu quase R$ 30 mil, enquanto a Emsurb consumiu cerca de R$ 156 mil – sem contabilizar limpeza urbana e lavagem de calçadas. Já a Funcaju, no mesmo ano, aplicou R$ 47 mil, numa espécie de patrocínio a blocos que tradicionalmente divulgam a temática do meio ambiente e reciclagem.

Ou seja, só em 2013 a PMA investiu quase R$ 233 mil na prévia carnavalesca, sendo que o total estimado do que foi gasto entre 2009 e 2013 ficou em cerca de R$ 1,2 milhão – sem contar outros gastos que o Fórum não teve acesso. Vale lembrar que não foram informados os recursos gastos com outros órgãos, a exemplo das secretarias de Saúde do Estado e do município, que não encaminharam ao Fórum de Defesa da Grande Aracaju as informações solicitadas.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247