Sem-terra marcham para Maceió em defesa da reforma agrária e democracia

Cerca de 1.500 trabalhadores rurais sem terra seguem em direção a Maceió, numa marcha em defesa da reforma agrária e da democracia; sete movimentos que participam do ato saíram da cidade de União dos Palmares e devem chegar à capital na quinta, 28; "Queremos mostrar que a reforma agrária é importante para o desenvolvimento econômico e social. Estamos ainda denunciando a violência no campo. Em 2016, já foram 11 assassinatos no campo, no Brasil. Temos que defender nossos direitos e o direito à democracia, lutar contra o golpe", disse Gustavo Marinho, porta-voz do MST

Cerca de 1.500 trabalhadores rurais sem terra seguem em direção a Maceió, numa marcha em defesa da reforma agrária e da democracia; sete movimentos que participam do ato saíram da cidade de União dos Palmares e devem chegar à capital na quinta, 28; "Queremos mostrar que a reforma agrária é importante para o desenvolvimento econômico e social. Estamos ainda denunciando a violência no campo. Em 2016, já foram 11 assassinatos no campo, no Brasil. Temos que defender nossos direitos e o direito à democracia, lutar contra o golpe", disse Gustavo Marinho, porta-voz do MST
Cerca de 1.500 trabalhadores rurais sem terra seguem em direção a Maceió, numa marcha em defesa da reforma agrária e da democracia; sete movimentos que participam do ato saíram da cidade de União dos Palmares e devem chegar à capital na quinta, 28; "Queremos mostrar que a reforma agrária é importante para o desenvolvimento econômico e social. Estamos ainda denunciando a violência no campo. Em 2016, já foram 11 assassinatos no campo, no Brasil. Temos que defender nossos direitos e o direito à democracia, lutar contra o golpe", disse Gustavo Marinho, porta-voz do MST (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil - Cerca de 1.500 trabalhadores rurais sem terra seguem em direção a Maceió, numa marcha em defesa da reforma agrária. Os sete movimentos que participam do ato saíram nessa segunda-feira (25) da cidade de União dos Palmares, berço da resistência negra do Quilombo dos Palmares, e devem chegar à capital na quinta (28). Durante a caminhada estão sendo realizadas atividades políticas e culturais com a comunidade, atos em defesa da democracia e debates sobre a reforma agrária.

Os movimentos percorrem cerca de cinco cidades. Os trabalhadores param em cada uma delas para promover atividades e pernoitar. A marcha ocorre simultaneamente em mais quatro estados.

Segundo a assessoria de comunicação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a caminhada é em defesa do povo do campo. "Queremos mostrar que a reforma agrária é importante para o desenvolvimento econômico e social. Estamos ainda denunciando a violência no campo. Em 2016, já foram 11 assassinatos no campo, no Brasil. Temos que defender nossos direitos e o direito à democracia, lutar contra o golpe", disse Gustavo Marinho, porta-voz do MST.

A previsão é de que, ao chegar a Maceió, o número de trabalhadores rurais triplique, reunindo quase 5 mil pessoas para debater e defender a reforma agrária. O ponto final da caminhada será a Universidade Federal de Alagoas, onde haverá uma série de atos e o lançamento do Comitê Estadual da Campanha Permanente Contra o Uso dos Agrotóxicos e Pela Vida.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247