Sem venda de usinas da Cemig, Temer terá rombo ainda maior

A Justiça suspendeu nesta segunda-feira 21 o leilão de quatro hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig), que estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro; desembargador do TRF1 concedeu liminar em ação popular sustentando que o valor de venda pelo governo federal estaria muito abaixo do que verdadeiramente valem as usinas; caso também será julgado pelo Supremo nesta terça, sobre recurso apresentado pela própria estatal; a fim de cobrir o rombo de R$ 159 bilhões da meta deste ano, o governo Temer pretendia arrecadar ao menos R$ 11 bilhões com o leilão das quatro hidrelétricas, mas ao que tudo indica, o buraco será ainda maior

A Justiça suspendeu nesta segunda-feira 21 o leilão de quatro hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig), que estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro; desembargador do TRF1 concedeu liminar em ação popular sustentando que o valor de venda pelo governo federal estaria muito abaixo do que verdadeiramente valem as usinas; caso também será julgado pelo Supremo nesta terça, sobre recurso apresentado pela própria estatal; a fim de cobrir o rombo de R$ 159 bilhões da meta deste ano, o governo Temer pretendia arrecadar ao menos R$ 11 bilhões com o leilão das quatro hidrelétricas, mas ao que tudo indica, o buraco será ainda maior
A Justiça suspendeu nesta segunda-feira 21 o leilão de quatro hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig), que estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro; desembargador do TRF1 concedeu liminar em ação popular sustentando que o valor de venda pelo governo federal estaria muito abaixo do que verdadeiramente valem as usinas; caso também será julgado pelo Supremo nesta terça, sobre recurso apresentado pela própria estatal; a fim de cobrir o rombo de R$ 159 bilhões da meta deste ano, o governo Temer pretendia arrecadar ao menos R$ 11 bilhões com o leilão das quatro hidrelétricas, mas ao que tudo indica, o buraco será ainda maior (Foto: Gisele Federicce)

Minas 247 - Uma decisão liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) nesta segunda-feira 21 adiou os planos do governo Temer de minimizar o rombo de R$ 159 bilhões para a meta fiscal deste ano.

A Justiça suspendeu o leilão de quatro hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig) – Jaguara, Miranda, São Simão e Volta Grande –, que estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro.

O desembargador do TRF1 concedeu liminar em ação popular sustentando que o valor de venda pelo governo federal estaria muito abaixo do que verdadeiramente valem as usinas. O caso também será julgado pelo Supremo Tribunal Federal nesta terça, sobre recurso apresentado pela própria estatal.

A fim de cobrir o rombo fiscal da meta deste ano, Michel Temer pretendia arrecadar ao menos R$ 11 bilhões com o leilão das quatro hidrelétricas, mas ao que tudo indica, o buraco será ainda maior. Leia mais sobre a decisão.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247