Senadora Lídice da Mata aclama Campos para 2014

"Já saímos da ditadura, não podemos ter apenas duas forças políticas se revezando no poder. Precisamos, dentro do projeto iniciado por Lula e que Dilma deu continuidade, de outras lideranças. Um projeto coletivo não pode existir com a possibilidade de governo de apenas um partido", afirma a senadora baiana, que pode concorrer ao Governo da Bahia em 2014 contra o PT de Jaques Wagner

Senadora Lídice da Mata aclama Campos para 2014
Senadora Lídice da Mata aclama Campos para 2014 (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247

A senadora baiana Lídice da Mata é mais uma a defender a candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a presidente da República em 2014. Apesar de elogiar os governos do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff, a socialista avalia que são necessárias novas ideias no projeto.

A socialista afirma que esse movimento do dirigente nacional do PSB ainda não foi definido, mas destacou a relevância de que outros nomes que compõem a esquerda no país possam entrar no processo.

"Já saímos da ditadura, não podemos ter apenas duas forças políticas se revezando no poder. Precisamos, dentro do projeto iniciado por Lula e que Dilma deu continuidade, de outras lideranças. Um projeto coletivo não pode existir com a possibilidade de governo de apenas um partido", disse a senadora em matéria publicada no jornal Tribuna da Bahia.

E nessa linha, a da "necessidade" de mudanças, a senadora começa a dar como real a possibilidade de entrar na disputa pela sucessão do governador Jaques Wagner, do PT, em 2014.

Há quem diga que Lídice tem apenas a intenção de não 'desmoralizar' Eduardo Campos, que lançou seu nome na disputa. Mas há também os que dizem que Wagner tem, de fato, mais um candidato dentro da base e que ele terá mais trabalho na equação que visa chapa única entre os aliados.

A senadora disse em entrevista à rádio Tudo FM que não vai mais negar a possibilidade. "Desta vez, não vou responder não. Vou responder talvez. Se for pelo meu desejo, serei candidata. Se for pelo desejo do meu partido, serei candidata. Mas a construção de uma candidatura exige que muito mais gente deseje isso também".

Cautelosa, apesar do assédio de seus correligionários na Assembleia legislativa, Lídice afima que é importante que a movimentação se dê em acordo entre as lideranças políticas que compõem o governo.

O objetivo, segundo ela, é dar continuidade, mas aprofundar o projeto iniciado pelo governador Jaques Wagner (PT), que deve ser o condutor do processo de construção da chapa governista, conforme deixam claro não apenas a própria senadora, assim como os outros interessados.

A candidatura da senadora se tornaria inevitável com a possível entrada de Eduardo Campos na disputa pela presidência da República em 2014.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247