Serra prefere o silêncio a falar sobre Aécio e PSDB

Em sua primeira aparição pública após a celebração do senador Aécio Neves em São Paulo, durante seminário organizado pelo PSDB paulista na semana passada, ex-governador José Serra avisou: "Não vou falar de política hoje"; questionado sobre o assunto, governador Geraldo Alckmin também desconversou: "As coisas estão caminhando. Serra é uma pessoa de partido, foi fundador do PSDB"

Serra prefere o silêncio a falar sobre Aécio e PSDB
Serra prefere o silêncio a falar sobre Aécio e PSDB
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas247 - O ex-governador José Serra preferiu o silêncio nesta segunda-feira quando questionado sobre o apoio do governador do Estado, Geraldo Alckmin, ao nome do senador Aécio Neves para presidir o PSDB. Na semana passada, em evento criado para aproximar Aécio dos tucanos de São Paulo, o senador acabou sendo aclamado por lideranças do PSDB paulista. A ausência mais notada na ocasião foi a de Serra.

"Não vou falar de política hoje", disse o ex-governador, que participou da cerimônia de abertura do acesso via internet a um milhão de documentos do antigo Dops, no Arquivo Público do Estado de São Paulo. Foi a primeira aparição pública de Serra após o evento em que Alckmin lançou Aécio à presidência nacional do PSDB.

Questionado sobre o assunto, Alckmin também desconversou: "As coisas estão caminhando. Serra é uma pessoa de partido, foi fundador do PSDB". Em seu pronunciamento no evento, Serra se limitou a parabenizar o governo pelo lançamento do acesso digital aos documentos do Dops, ressaltando, contdo, que muitas das informações contidas nos prontuários são falsas, inclusive algumas sobre ele.

Ficha

Segundo Serra, sua ficha no órgão menciona de forma equivocada sua participação, no início da década de 60, em um jantar em homenagem ao cosmonauta Yuri Gagarin durante sua visita ao País. "A ficha disse que eu tinha ido ao jantar e que eu tinha chorado quando falaram o nome da União Soviética. Mas, quando o Gagarin veio, eu nem era ainda da universidade, muito menos era do fã clube da União Soviética, a ponto de chorar", disse, provocando risos na plateia.

"Poucas vezes, e tenho longa experiência nesse tema, vi informações tão erradas. (...) Fico imaginando o que os historiadores vão achar no futuro", completou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email