Servidores da UPA denunciam atraso de salários

Os servidores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santo Antônio, em Maragogi, no Litoral Norte de Alagoas, estão denunciando atraso salarial de três meses; Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) culpa o município, “a quem cabe contratar os servidores e realizar o pagamento”; já a secretaria municipal diz que o pagamento dos salários é responsabilidade dos governos Estadual e Federal 

Os servidores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santo Antônio, em Maragogi, no Litoral Norte de Alagoas, estão denunciando atraso salarial de três meses; Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) culpa o município, “a quem cabe contratar os servidores e realizar o pagamento”; já a secretaria municipal diz que o pagamento dos salários é responsabilidade dos governos Estadual e Federal 
Os servidores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santo Antônio, em Maragogi, no Litoral Norte de Alagoas, estão denunciando atraso salarial de três meses; Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) culpa o município, “a quem cabe contratar os servidores e realizar o pagamento”; já a secretaria municipal diz que o pagamento dos salários é responsabilidade dos governos Estadual e Federal  (Foto: Voney Malta)

Alagoas 247 - A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santo Antônio, de Maragogi, no Litoral Norte do Estado, amanheceu, nesta sexta-feira (25), com uma faixa de protesto estendida na entrada daquele equipamento de saúde. Com os dizeres: “Chega de descaso, paguem nosso dinheiro”, os servidores denunciam o atraso salarial de três meses.

Estava prevista uma paralisação de advertência para esta sexta-feira, quando só atenderiam os casos emergenciais, o que ainda não aconteceu. Os trabalhadores vão se reunir durante o dia para traçar os rumos da mobilização.

De qualquer forma, o atendimento na UPA de Maragogi, que é referência para outros municípios da região Norte de Alagoas, está prejudicado pela falta de medicamentos, como paracetamol e dipirona, além de outros insumos, a exemplo de luvas cirúrgicas, álcool, atadura e soro glicosado.

Desmotivados, quatro servidores não apareceram nesta sexta-feira para trabalhar, o que também afetou o atendimento. O clima chegou a ficar tenso por volta das 9h15, quando um dos diretores da UPA exigiu que os trabalhadores retirassem a faixa de protesto. Os manifestantes se recusaram e, de acordo com eles, o diretor ameaçou acionar a polícia.

Nota

A secretária municipal de Saúde de Maragogi, Karen Benevides, afirmou que o pagamento dos salários é de responsabilidade dos governos Estadual e Federal. “Contrapartida do município é medicamento, alimentação, internet, água, energia, material de limpeza, dentre outras coisas”, afirmou Benevides. De acordo com ela, o município iniciou a compra dos insumos e medicamentos que estão em falta.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), entretanto, enviou nota à redação em que responsabiliza o município pelo atraso salarial. “A Sesau esclarece que o gerenciamento da UPA de Maragogi é de responsabilidade da Secretaria de Saúde Municipal, a quem cabe contratar os servidores e, consequentemente, realizar o pagamento”, diz a nota.

Com gazetaweb.com

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247