Sesau investiga 40 casos de microcefalia no TO

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) confirmou os casos de microcefalia registrados no Tocantins estão sob investigação para confirmar se há relação com o Zika vírus; até o último dia 5, já somavam 1.761 os casos suspeitos de microcefalia que foram notificados em 422 municípios brasileiros, segundo balanço do Ministério da Saúde

Brasília (DF) - Bebês acolhidos pelo Lar da Criança Padre Cícero, instituição que cuida mais de 20 crianças e adolescentes. Poucos estão habilitados para adoção
Brasília (DF) - Bebês acolhidos pelo Lar da Criança Padre Cícero, instituição que cuida mais de 20 crianças e adolescentes. Poucos estão habilitados para adoção (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) confirmou que 40 casos de microcefalia registrados no Tocantins estão sob investigação para confirmar se há relação com o Zika vírus. De acordo com a pasta, os casos estão distribuídos nos municípios de Almas, Angico, Aragominas, Araguaína, Brejinho de Nazaré, Centenário, Colinas, Dianópolis, Darcinópolis, Divinópolis, Formoso do Araguaia, Goiatins, Lagoa do Tocantins, Natividade, Novo Acordo, Nova Olinda, Porto Nacional, Palmas, Santa Tereza do Tocantins, Tocantínia e Wanderlândia. A confirmação foi dado ao T1 Notícias.

A Secretaria esclareceu na nota que não há confirmação que o zika vírus tenha sido o causador das malformações investigadas e que todas as gestantes, mães e bebês em questão estão recebendo o devido acompanhamento.

Até o último dia 5, já somavam 1.761 os casos suspeitos de microcefalia que foram notificados em 422 municípios brasileiros. Segundo o novo balanço do Ministério da Saúde, 14 unidades federativas registram casos suspeitos da malformação. 

A microcefalia é uma condição neurológica em que a cabeça do recém-­nascido é menor quando comparada ao padrão considerado adequado. Os bebês com essa malformação congênita nascem com um perímetro cefálico menor do que o normal.

A doença está associada a uma série de fatores de diferentes origens. Pode ser o uso de substâncias químicas durante a gravidez, como drogas, contaminação por radiação e infeccção por agentes biológicos, como vírus, bactérias, e radiação.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email