Silvio Costa: 'Cunha era o marginal que virou santo?'

Vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PSC-PE) disse, em entrevista ao 247, que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alcançou o "ápice da chantagem" ao decidir, por "raivinha, mesquinharia", abrir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ele também condenou a reaproximação dos partidos de oposição com Cunha; "Tem 15 dias que a oposição deixou o plenário da Câmara esculhambando com o Cunha. Chamaram ele até de marginal. Agora reataram a relação com este desqualificado para destruir o país. Isso é brincar de pedir impeachment", disparou; para Costa, o pedido de impeachment "não pode ser levado a sério"

Vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PSC-PE) disse, em entrevista ao 247, que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alcançou o "ápice da chantagem" ao decidir, por "raivinha, mesquinharia", abrir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ele também condenou a reaproximação dos partidos de oposição com Cunha; "Tem 15 dias que a oposição deixou o plenário da Câmara esculhambando com o Cunha. Chamaram ele até de marginal. Agora reataram a relação com este desqualificado para destruir o país. Isso é brincar de pedir impeachment", disparou; para Costa, o pedido de impeachment "não pode ser levado a sério"
Vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PSC-PE) disse, em entrevista ao 247, que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alcançou o "ápice da chantagem" ao decidir, por "raivinha, mesquinharia", abrir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ele também condenou a reaproximação dos partidos de oposição com Cunha; "Tem 15 dias que a oposição deixou o plenário da Câmara esculhambando com o Cunha. Chamaram ele até de marginal. Agora reataram a relação com este desqualificado para destruir o país. Isso é brincar de pedir impeachment", disparou; para Costa, o pedido de impeachment "não pode ser levado a sério" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Paulo Emílio, do Pernambuco 247 - O vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PSC-PE), disse que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alcançou o "ápice da chantagem" ao acatar o pedido de abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A decisão foi "porque ele precisava desesperadamente dos três votos do PT no Conselho de Ética para não ser cassado. Pelas contas dele, ele tinha nove votos. Mas precisava de 11. Como o PT anunciou que não votaria a seu favor, ele se desesperou", detalhou o parlamentar, em entrevista concedida ao 247 nesta sexta-feira 4.

Para Silvio Costa, o pedido de impeachment "não pode ser levado a sério". O deputado lembra que os pedidos que Cunha possuía em mãos - ele já havia rejeitado 27 - chegaram na Câmara em março e abril. "O presidente da Câmara passou todo o ano de 2015 chantageando o governo. Se esses pedidos tivessem realmente algum embasamento jurídico, ele já teria iniciado este processo lá atrás. Ele chegou ao ápice de chantagem quando viu que precisava desesperadamente dos três votos do PT no Conselho de Ética para não ser cassado e percebeu que não tinha. Agora, por raivinha, mesquinharia, resolveu tomar esta atitude", disparou.

O deputado afirma não haver razões legais e nem jurídicas para o impedimento. "O que lamento é que um homem como Hélio Bicudo (jurista, do pedido de impeachment aceito por Cunha), que lutou pela democracia contra a ditadura militar, se veja agora movido pelo ódio e pelo rancor, buscando 'cabelo de anjo jurídico' com esta história de pedalada fiscal. Ele sabe que a presidente Dilma é uma mulher honrada e não cometeu nenhum ilícito. Ele também sabe que quem começou com esta história de pedalada fiscal foi o FHC. A maior falta de embasamento jurídico está no engavetamento do processo desde o começo do ano", protestou.

O vice-líder da base governista também condenou a reaproximação dos partidos de oposição com o presidente da Câmara logo após o deputado anunciar que iria acatar o pedido de afastamento da presidente Dilma. "Tem 15 dias que a oposição deixou o plenário da Câmara esculhambando com o Cunha. Chamaram ele até de marginal. Agora reataram a relação com este desqualificado para destruir o país. Isso é brincar de pedir impeachment", criticou.

Para ele, a oposição, liderada pelo presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), será derrotada na batalha em plenário. "A oposição sabe que jamais terá os 342 votos necessários, terá no máximo 130. Agora, de todo jeito isso fica ruim para o investidor em razão da insegurança criada por esta situação que não passa de uma orquestração de quem é favorável ao impeachment. Esse lacerdismo da oposição não vai chegar a lugar algum. Carlos Lacerda pelo menos tinha talento, algo que até isso faz falta a este pessoal", disse.

Silvio também criticou as declarações feitas nesta sexta-feira pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, no sentido de que a alta da Bolsa e a queda do dólar nos dias seguintes após o anúncio da abertura do processo de impeachment é uma sinalização de que o mercado financeiro quer o afastamento de Dilma. "FHC está rasgando a sua história. É justamente o contrário. O mercado percebeu que o impeachment é fruto de chantagem e que agora isso chegou ao fim. O mercado percebeu que o governo tem força, tem voto, contra isso tudo", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247