Skaf defende 'impeachment, renúncia ou outra forma'

Apontado como principal interlocutor do vice-presidente Michel Temer entre os empresários, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB) rechaça que a movimentação pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff seja um golpe; para ele, o sentimento no país é "por mudança"; "Dizer que é golpe é uma apelação. O que posso dizer é que as coisas não podem continuar como estão. Há uma grave crise política e a culpa é do governo brasileiro, que perdeu a sua credibilidade. Acho muito difícil o governo resgatar a confiança da sociedade brasileira", diz; ele ressalta que "o empresariado, o mercado e a maioria da sociedade enxergam com bons olhos uma mudança no cenário político"  

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, fala à imprensa depois de audiência com o presidente do Senado, Renan Calheiros, no Congresso Nacional (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, fala à imprensa depois de audiência com o presidente do Senado, Renan Calheiros, no Congresso Nacional (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Apontado como principal interlocutor do vice-presidente Michel Temer entre os empresários, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB) rechaça que a movimentação pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff seja um golpe. Para ele, o sentimento no país é "por mudança".

"Dizer que é golpe é uma apelação. O que posso dizer é que as coisas não podem continuar como estão. Há uma grave crise política e a culpa é do governo brasileiro, que perdeu a sua credibilidade. Acho muito difícil o governo resgatar a confiança da sociedade brasileira", diz.

Ele afirma que a situação atual "não pode continuar". "A crise econômica é decorrente da crise política, que é causada pela total falta de confiança no atual governo. São dois caminhos: ou o governo resgata a sua credibilidade, o que acho impossível, ou haverá a necessidade de mudança. Essa mudança pode ser por meio do impeachment, renúncia ou outra forma. Estender essa situação vai custar muito caro para a nação brasileira", argumenta.

Skaf ressalta que "o empresariado, o mercado e a maioria da sociedade enxergam com bons olhos uma mudança no cenário político". "Existem caminhos legais para a opção do impeachment. O governo perdeu a noção, deixou de estar conectado com a realidade da sociedade", reforça.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email