Skaf defende para Temer ajuste sem aumento de impostos

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, encontrou-se nesta sexta-feira, 29, com o vice-presidente Michel Temer em São Paulo; ele voltou a defender um ajuste fiscal sem aumento da carga tributária; "Eu acredito que haja a necessidade de um ajuste fiscal, mas que deve ser feito na mão da redução das despesas e não do aumento de impostos", ressaltou; para Skaf, entre as possibilidades de redução no déficit das contas estão a repatriação de recursos que estão no exterior e a redução dos juros da dívida

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, encontrou-se nesta sexta-feira, 29, com o vice-presidente Michel Temer em São Paulo; ele voltou a defender um ajuste fiscal sem aumento da carga tributária; "Eu acredito que haja a necessidade de um ajuste fiscal, mas que deve ser feito na mão da redução das despesas e não do aumento de impostos", ressaltou; para Skaf, entre as possibilidades de redução no déficit das contas estão a repatriação de recursos que estão no exterior e a redução dos juros da dívida
Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, encontrou-se nesta sexta-feira, 29, com o vice-presidente Michel Temer em São Paulo; ele voltou a defender um ajuste fiscal sem aumento da carga tributária; "Eu acredito que haja a necessidade de um ajuste fiscal, mas que deve ser feito na mão da redução das despesas e não do aumento de impostos", ressaltou; para Skaf, entre as possibilidades de redução no déficit das contas estão a repatriação de recursos que estão no exterior e a redução dos juros da dívida (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Daniel Mello, da Agência Brasil - O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, voltou a defender hoje (29) um ajuste fiscal sem aumento da carga tributária. "Eu acredito que haja a necessidade de um ajuste fiscal, mas que deve ser feito na mão da redução das despesas e não do aumento de impostos", ressaltou após deixar o escritório do vice-presidente Michel Temer, na capital paulista. Os dois estiveram reunidos por mais de duas horas.

Um dos caminhos para a redução do déficit nas contas públicas é, segundo Skaf, a repatriação de recursos que estão no exterior. "Com o novo governo assumindo e restabelecendo a confiança, há a possibilidade de haver um valor significativo", destacou. Uma lei para permitir a regularização do dinheiro enviado sem declaração ao exterior foi aprovada em janeiro.

Em troca da anistia de crimes relacionados à evasão de divisas, o contribuinte pagará 15% de Imposto de Renda e 15% de multa, totalizando 30% do valor repatriado. No primeiro momento, há uma presunção de boa-fé, mas, futuramente, havendo dúvida sobre a origem dos recursos, o contribuinte poderá ser convocado para prestar esclarecimentos. A estimativa de arrecadação é R$ 21 bilhões neste ano.

Outra possibilidade, de acordo com Skaf, é a redução dos juros da dívida. "Quando o governo dá um bom exemplo, reduz seus gastos e desperdícios, recupera a confiança, cria condições para reduzir juros. O que reduz despesas", acrescentou. No final do ano passado, o Brasil teve a nota de investimento rebaixada pelas agências internacionais de risco devido à situação das contas públicas e a crise política.

Ministério

O presidente da Fiesp negou a possibilidade de assumir um ministério em um eventual governo Temer. "Eu tenho compromisso onde eu estou. Então, não há essa possibilidade", enfatizou. Ele descartou que esteja em discussão a extinção do Ministério da Indústria e Comércio Exterior. "Essa ideia não existe", disse.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247