Skaf nega aliança com Bolsonaro: nem conheço ele pessoalmente

O presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf, pré-candidato ao governo do estado de São Paulo, negou uma eventual aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), como foi especulado nos últimos dias; “Não é fato. Nem conheço pessoalmente o candidato Bolsonaro”, afirmou

O presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf, pré-candidato ao governo do estado de São Paulo, negou uma eventual aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), como foi especulado nos últimos dias; “Não é fato. Nem conheço pessoalmente o candidato Bolsonaro”, afirmou
O presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf, pré-candidato ao governo do estado de São Paulo, negou uma eventual aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), como foi especulado nos últimos dias; “Não é fato. Nem conheço pessoalmente o candidato Bolsonaro”, afirmou (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O presidente licenciado da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, pré-candidato ao governo do estado de São Paulo, negou nesta sexta-feira (8) uma eventual aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), como foi especulado nos últimos dias.

“Não é fato. Nem conheço pessoalmente o candidato Bolsonaro”, afirmou ele ao participar da série de sabatinas promovidas por Folha, UOL e SBT.

O emdebista afastou a possibilidade de dar palanque para Bolsonaro no estado e disse que seu candidato na eleição presidencial é o mesmo de seu partido, o ex-ministro Henrique Meirelles. “Tenho respeito por ele [Bolsonaro], ele tem 20, 25% nas pesquisas”, ponderou.

Skaf reconheceu que o governo Michel Temer, enfrenta forte desgaste e tem pouca popularidade, mas buscou fazer o discurso de que candidatos estão acima de siglas e não quis responder se será “o candidato de Temer” na eleição estadual.

De acordo com o pré-candidato, não só o MDB, mas todos os partidos estão com a imagem rim. “Esse negócio de padrinhos, esse negócio de partidos, já não deu certo no Brasil. As pessoas votam para pessoas”, disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247