Sócio de empresa investigada pela PF repassou apartamento para mãe de Aécio

PF está investigando uma transação considerada suspeita envolvendo o empresário José Antônio Fichtner, sócio de uma empresa investigada por corrupção no governo Sérgio Cabral, no Rio, e a família do senador Aécio Neves (PSDB-MG); suspeita envolve a compra, em 2010, de um apartamento feito por Fichtner em uma área nobre de Florianópolis, de um casal espanhol que exigiu que o pagamento fosse efetuado no exterior; quatro anos depois, o empresário vendeu o imóvel para a mãe do senador por R$ 500 mil; Aécio foi chamado para prestar explicações acerca do negócio

Aécio
Aécio (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - A Policia Federal está investigando uma transação considerada suspeita envolvendo o empresário José Antônio Fichtner, sócio de uma empresa investigada por corrupção no governo Sérgio Cabral, no Rio, e a família do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Suspeita envolve a compra, em 2010, de um apartamento feito por Fichtner em uma área nobre de Florianópolis, de um casal espanhol que exigiu que o pagamento fosse efetuado no exterior. Quatro anos depois, o empresário vendeu o imóvel para a mãe do senador por R$ 500 mil. Aécio foi chamado para prestar explicações acerca do negócio.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, transação foi descoberta durante uma ação de busca e apreensão feita por agentes federais em endereços ligados a Aécio Neves.Em meio a operação, os policiais encontraram o contrato de compra do imóvel em nome da mãe do parlamentar mineiro, Inês Maria. Na casa do senador, em Brasília, foi encontrada uma procuração dada por Fichtner a um advogado do escritório Andrade & Fichtner, que está sob investigação, para efetuar a compra do apartamento.

Agora, os investigadores querem desvendar a relação que Aécio teria com Fitchner para manter em sua residência a procuração usada na transação do imóvel que teria sido transferido para sua mãe quatro anos depois.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247