STF autoriza transferência de Pedro Corrêa para Curitiba

Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo, atendeu a um pedido do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, e autorizou a transferência do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que atualmente está preso no interior de Pernambuco por condenação no chamado 'mensalão', para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba; ele foi alvo hoje de um mandado de prisão pela 11ª fase da Operação Lava Jato

Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo, atendeu a um pedido do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, e autorizou a transferência do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que atualmente está preso no interior de Pernambuco por condenação no chamado 'mensalão', para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba; ele foi alvo hoje de um mandado de prisão pela 11ª fase da Operação Lava Jato
Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo, atendeu a um pedido do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, e autorizou a transferência do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que atualmente está preso no interior de Pernambuco por condenação no chamado 'mensalão', para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba; ele foi alvo hoje de um mandado de prisão pela 11ª fase da Operação Lava Jato (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou a transferência do ex-deputado Pedro Corrêa, que estava preso no Presídio de Canhotinho, interior de Pernambuco, para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba.

A decisão atende a um pedido do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato. Pedro Corrêa foi alvo de um mandato de prisão nesta sexta-feira, durante a 11ª fase da investigação, mas a PF aguardava autorização para praticá-lo.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil:

STF autoriza prisão do ex-deputado Pedro Corrêa, investigado na Lava Jato

André Richter - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou hoje (10) a efetivação do mandado de prisão e a transferência do ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) para a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

O pedido foi feito pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato. Corrêa teve mandado de prisão expedido nesta manhã, na 11ª fase da Lava Jato, mas a prisão precisava ser autorizada pelo STF porque o ex-deputado cumpre pena em regime semiaberto, em Pernambuco, pela condenação na Ação Penal 470, o Processo do Mensalão. Barroso é responsável pela execuções penais dos condenados no processo.

No despacho em que determinou a prisão, Moro disse que Pedro Corrêa é recorrente em escândalos políticos. O juiz fundamentou a ordem de prisão no risco à ordem pública e disse que há indícios de que o ex-deputado continuou recebendo propina do esquema de desvios da Petrobras, mesmo durante o julgamento da Ação Penal do Mensalão, no STF.

A defesa de Corrêa informou que não vai se manifestar até tomar conhecimento das acusações.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247