Suspenso afastamento do mandato de Jardel

O desembargador Newton Brasil de Leão reconsiderou a decisão de suspender o mandato do deputado Mário Jardel por 180 dias, conferida por ele próprio; a suspensão atende a um recurso da Assembleia Legislativa; segundo ele, é preciso respeitar a autonomia entre os Poderes, é “razoável que a suspensão do mandato parlamentar seja analisada pelos demais deputados estaduais; Jardel é acusado de crimes como lavagem de dinheiro, peculato e improbidade administrativa

O desembargador Newton Brasil de Leão reconsiderou a decisão de suspender o mandato do deputado Mário Jardel por 180 dias, conferida por ele próprio; a suspensão atende a um recurso da Assembleia Legislativa; segundo ele, é preciso respeitar a autonomia entre os Poderes, é “razoável que a suspensão do mandato parlamentar seja analisada pelos demais deputados estaduais; Jardel é acusado de crimes como lavagem de dinheiro, peculato e improbidade administrativa
O desembargador Newton Brasil de Leão reconsiderou a decisão de suspender o mandato do deputado Mário Jardel por 180 dias, conferida por ele próprio; a suspensão atende a um recurso da Assembleia Legislativa; segundo ele, é preciso respeitar a autonomia entre os Poderes, é “razoável que a suspensão do mandato parlamentar seja analisada pelos demais deputados estaduais; Jardel é acusado de crimes como lavagem de dinheiro, peculato e improbidade administrativa (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sul 21 - O desembargador Newton Brasil de Leão reconsiderou nesta quinta-feira (3) a decisão de suspender o mandato do deputado Mário Jardel por 180 dias, conferida por ele próprio na última segunda-feira (30). Ele atende a um recurso da Assembleia Legislativa. As informações são do Tribunal de Justiça.

Na ocasião, Leão atendeu uma solicitação do Ministério Público em decorrência das investigações que apontam prática de crimes de lavagem de dinheiro, peculato, improbidade administrativa, entre outros, por parte do parlamentar. Contudo, a decisão de solicitar o afastamento foi criticada pela Assembleia Legislativa, que entrou com um recurso na terça-feira (1) contra a suspensão de Jardel sob o argumento de que representava uma interferência do poder Judiciário no Legislativo.

Ao voltar atrás nesta quinta, o desembargador ponderou que “mantém sua convicção de que as medidas cautelares deferidas se mostravam imprescindíveis para a salvaguarda do patrimônio público lesado”, mas reconheceu que, respeitando a autonomia entre os Poderes, é “razoável que a suspensão do mandato parlamentar seja analisada pelos demais Deputados Estaduais”.

A reconsideração do desembargador, no entanto, não altera o andamento de um possível processo de cassação do deputado. As denúncias apresentadas pelo MP na segunda-feira foram encaminhadas ao corregedor da Casa, deputado Marlon Santos (PDT), e à Comissão de Ética, que ficam responsáveis de dar andamento ao processo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247