Teixeira critica ‘farsa do discurso da lei para todos’

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) criticou a Justiça brasileira, após o STJ determinar o envio para a Justiça Eleitoral de São Paulo do inquérito que investiga o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, por uso de caixa 2; "A farsa no discurso da "lei para todos" foi escancarada", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) criticou a Justiça brasileira, após o STJ determinar o envio para a Justiça Eleitoral de São Paulo do inquérito que investiga o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, por uso de caixa 2; "A farsa no discurso da "lei para todos" foi escancarada", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter
O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) criticou a Justiça brasileira, após o STJ determinar o envio para a Justiça Eleitoral de São Paulo do inquérito que investiga o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, por uso de caixa 2; "A farsa no discurso da "lei para todos" foi escancarada", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) criticou a Justiça brasileira, após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinar o envio para a Justiça Eleitoral de São Paulo do inquérito que investiga o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, por uso de caixa 2.

"Alckmin abandonou o governo de São Paulo para ser candidato à Presidência. Perdeu o foro privilegiado. E, mesmo assim, a Lava Jato não investigará o tucano. A farsa no discurso da "lei para todos" foi escancarada", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter.

Alckmin é investigado porque ex-executivos da Odebrecht delataram à Lava Jato que o tucano recebeu R$ 10 milhões por meio de caixa 2 para as campanhas de 2010 e 2014. De acordo com os delatores, o cunhado de Alckmin, Adhemar César Ribeiro, recebeu parte desse montante em dinheiro, de acordo com os delatores.

O parlamentar também criticou o golpe parlamentar e seus efeitos. "Mais uma consequência do golpe: aumenta a pobreza extrema. O Brasil, que havia saído do Mapa da Fome, volta ao passado. O retrocesso está na pauta do dia dos golpistas. E a maior vítima do golpe é o povo", disse Teixeira.

A quantidade de pessoas na pobreza extrema passou de 13,34 milhões em 2016 para alarmantes 14,83 milhões em 2017, um aumento de 11%, de acordo com a Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios Contínua (Pnad) divulgada nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247