Temer processa Cid, que o chamou de ‘achacador’

Vice-presidente da República e o PMDB ingressaram com uma representação criminal na Justiça Federal de Brasília contra o ex-governador e ex-ministro, acusando-o de ter cometido os crimes de calúnia, injúria e difamação; ação foi protocolada no dia 5 de novembro; durante convenção do PDT no dia 17 de outubro, quando se filiou à legenda, Cid Gomes chamou Michel Temer de "chefe da quadrilha de achacadores que assola o Brasil"

Vice-presidente da República e o PMDB ingressaram com uma representação criminal na Justiça Federal de Brasília contra o ex-governador e ex-ministro, acusando-o de ter cometido os crimes de calúnia, injúria e difamação; ação foi protocolada no dia 5 de novembro; durante convenção do PDT no dia 17 de outubro, quando se filiou à legenda, Cid Gomes chamou Michel Temer de "chefe da quadrilha de achacadores que assola o Brasil"
Vice-presidente da República e o PMDB ingressaram com uma representação criminal na Justiça Federal de Brasília contra o ex-governador e ex-ministro, acusando-o de ter cometido os crimes de calúnia, injúria e difamação; ação foi protocolada no dia 5 de novembro; durante convenção do PDT no dia 17 de outubro, quando se filiou à legenda, Cid Gomes chamou Michel Temer de "chefe da quadrilha de achacadores que assola o Brasil" (Foto: Aline Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará 247 – O vicepresidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, decidiu processar o ex-­ministro da Educação e ex­-governador do Ceará Cid Gomes por declarações feitas durante convenção do PDT, no dia 17 de outubro, quando se filiou à sigla. Cid acusou Temer de ser "chefe da quadrilha de achacadores que assola o Brasil" e afirmou que o País não avançaria com a sigla peemedebista no Palácio do Planalto.

No dia 5 de novembro, Temer e o PMDB ingressaram com uma representação criminal na Justiça Federal de Brasília contra o pedetista, acusando­ ele de ter cometido os crimes de calúnia, injúria e difamação. Temer pede, na queixa-crime, que as penas sejam aumentadas em um terço por três motivos: o crime ter sido cometido contra funcionário público, em razão de suas funções; na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação do fato; e contra pessoa maior de 60 anos.

No dia do evento Cid afirmou que "muito menos o Brasil pode avançar se entregar a Presidência da República ao símbolo do que há de mais fisiológico e podre na política brasileira, que é o PMDB liderado por Michel Temer, chefe dessa quadrilha que achaca e assola o nosso País".

O Ministério Público Federal no Distrito Federal apresentou parecer afirmando que a acusação para transformar Cid Gomes em réu deve ser recebida apenas quanto ao crime de injúria, quando há uma ofensa à dignidade ou ao decoro de alguém

A Justiça Federal do Distrito Federal, no entanto, ainda não discutiu o mérito da ação. O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12.ª Vara Federal, decidiu remeter o caso para a Justiça Federal do Ceará sob o argumento de que a Seção Judiciária de Brasília não é competente para processar e julgar o fato. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247