‘Temer quer acabar com direitos trabalhistas’

A Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins (NCST-TO) participa, nesta quarta-feira (15), de manifestações contra a reforma da Previdência; os protestos fazem parte de um movimento nacional das centrais sindicais e acontecerá em diversas cidades brasileiras com objetivo de pressionar parlamentares para não aprovar a reforma proposta pelo governo Temer; segundo o presidente da NCST-TO, Cleiton Pinheiro, “o que o governo está fazendo é acabar com direitos dos trabalhadores com a justificativa de sanear as contas da Previdência. No entanto o governo não ataca um dos principais fatores que afetam a Previdência que é a inadimplência no sistema”

A Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins (NCST-TO) participa, nesta quarta-feira (15), de manifestações contra a reforma da Previdência; os protestos fazem parte de um movimento nacional das centrais sindicais e acontecerá em diversas cidades brasileiras com objetivo de pressionar parlamentares para não aprovar a reforma proposta pelo governo Temer; segundo o presidente da NCST-TO, Cleiton Pinheiro, “o que o governo está fazendo é acabar com direitos dos trabalhadores com a justificativa de sanear as contas da Previdência. No entanto o governo não ataca um dos principais fatores que afetam a Previdência que é a inadimplência no sistema”
A Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins (NCST-TO) participa, nesta quarta-feira (15), de manifestações contra a reforma da Previdência; os protestos fazem parte de um movimento nacional das centrais sindicais e acontecerá em diversas cidades brasileiras com objetivo de pressionar parlamentares para não aprovar a reforma proposta pelo governo Temer; segundo o presidente da NCST-TO, Cleiton Pinheiro, “o que o governo está fazendo é acabar com direitos dos trabalhadores com a justificativa de sanear as contas da Previdência. No entanto o governo não ataca um dos principais fatores que afetam a Previdência que é a inadimplência no sistema” (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - A Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins (NCST-TO) participa, nesta quarta-feira (15), de manifestações contra a reforma da Previdência em tramitação no Congresso Nacional. Os protestos fazem parte de um movimento nacional das centrais sindicais e acontecerá em diversas cidades brasileiras com objetivo de pressionar os congressistas para não aprovar a reforma previdenciária proposta pelo governo Temer, através da PEC 287/2016. Em Palmas, a concentração acontece a partir das 8h30 na Avenida JK, em frente ao Colégio São Francisco de Assis. De lá, os manifestantes seguirão até a Assembleia Legislativa, na Praça dos Girassóis.

De acordo com o presidente da NCST-TO, Cleiton Pinheiro, argumenta que a reforma previdenciária proposta pelo governo federal é extremamente nociva a todos os trabalhadores.

“O que o governo está fazendo é acabar com direitos dos trabalhadores com a justificativa de sanear as contas da Previdência. No entanto o governo não ataca um dos principais fatores que afetam a Previdência que é a inadimplência no sistema”, afirma.  “Estudos de diversas entidades apontam que, caso o governo cobrasse os grandes devedores, as contas da Previdência estariam equilibradas. O trabalhador não pode ser responsabilizado e pagar por essa crise”, acrescenta.

Os principais pontos da reforma da Previdência, proposta pelo governo são: aumento para 65 anos da idade mínima para aposentadoria; desvinculação da aposentadoria do salário mínimo, abrindo caminho para que o trabalhador aposentado receba menos de um salário mínimo mensal de aposentadoria; aumento para 25 anos do tempo mínimo de contribuição; para se aposentar com 100% o trabalhador terá de contribuir durante 49 anos para a Previdência.

“A desvinculação da aposentadoria do salário mínimo, por exemplo, vai provocar um grande impacto no orçamento familiar e também na economia dos estados e municípios, uma vez que menos recursos vão circular e vai aumentar a demanda por serviços e atendimentos básicos nos municípios”, avalia o presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores no Tocantins.

Em Araguaína as manifestações acontecem  a partir das 7 horas em frente ao SINTET, na Avenida Tocantins e percorrerá a Avenida Cônego João Lima, Câmara Municipal, INSS e finaliza na Praça das Nações.

Em Dianópolis a manifestação está programada para a Praça Central a partir das 7h30.

Na cidade de Gurupi a concentração acontece na Praça Santo Antonio às 16 horas e percorre a Avenida Goiás até o Parque Mutuca.

Em Tuaguatinga, a concentração acontece na praça em frente ao Banco do Brasil, a partir das 8 horas.

Além do ato marcado para o dia 15 de março, as entidades sindicais também vão pressionar os deputados e senadores para que rejeitem a proposta do governo federal. “Vamos deixar claro aos nossos deputados e senadores que, ao votar a favor desta proposta eles estarão votando contra os trabalhadores do Tocantins”, reforça Cleiton Pinheiro. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247