Tucanos criticam proposta de Aécio sobre fim da reeleição

Possível candidato do PSDB à Presidência em 2014 defende o fim da possibilidade de reeleição e mandatos de cinco anos para presidente, governador e prefeito já na próxima eleição; senador Aloysio Nunes Ferreira disse que ideia não ajuda a tirar o PT do poder; já ex-líder tucano Arnaldo Madeira afirma que partido voltou ao "supérfluo"; Eduardo Campos (PSB), no entanto, declarou apoio ao senador mineiro

Tucanos criticam proposta de Aécio sobre fim da reeleição
Tucanos criticam proposta de Aécio sobre fim da reeleição

247 – O senador mineiro, Aécio Neves, que luta para conquistar unanimidade dentro do próprio partido para se lançar candidato à Presidência em 2014, causou ainda mais divisões entre os tucanos. Aécio, que vai assumir a presidência do PSDB no mês que vem, defendeu a ideia de acabar com a possibilidade de reeleição e estender o mandato de quatro para cinco anos para presidente, governador e prefeito já na próxima eleição.

A proposta vai de encontro com a tese do tutor de sua campanha, o ex-presidente FHC, que aprovou uma emenda para viabilizar sua reeleição em 1997.

Para o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), a sugestão de Aécio foge do foco do partido. "Trata-se de uma proposta lateral, que nada diz em relação ao enfrentamento com o governo. Temos de apresentar proposta para derrotar o PT. Tamanho de mandato e coisas semelhantes são propostas recorrentes aqui no Congresso e não dizem respeito à campanha. Campanha fala de programas, mostra o que está errado", disse à Folha.

Ele é a favor de manter o sistema. "Pessoalmente sou a favor do jeito que está, quatro anos de mandato com reeleição. O eleitor tem o direito de julgar o governante. Se não gostar, muda. Se gostar, reelege."

O ex-líder tucano Arnaldo Madeira (SP) também foi taxativo: "Incrível! Voltamos ao supérfluo. Discutir cinco anos de mandato e coincidência das eleições. O passado nos chama", escreveu ele no seu perfil no Twitter. "Cinco anos de mandato para todos, nos três níveis, significa enrijecer de tal forma o sistema político que só o velho golpe para resolver crises", escreveu ainda.

Fora do partido, Aécio conquistou adeptos a ideia. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, mostrou-se favorável ao fim da reeleição. A reeleição é sem dúvida uma fonte de problemas muito grande na área eleitoral", disse o procurador. Para ele, concorrer no cargo, como estipula a legislação brasileira, causa desequilíbrios.

Segundo a colunista da Folha, Vera Magalhães, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), telefonou ontem para o senador Aécio para apoiar a proposta. Campos prometeu levar a discussão ao partido. Para o pessebista, a mudança, se aprovada agora, deveria valer a partir de 2018.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247