UE planeja dar mais poder para consumidores processarem companhias

A proposta do órgão executivo da UE, divulgada nesta quarta-feira, permitirá que alguns grupos lancem ações coletivas e autoridades de proteção de consumidores poderão impor penas mais severas.

UE planeja dar mais poder para consumidores processarem companhias
UE planeja dar mais poder para consumidores processarem companhias
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A União Europeia planeja dar mais poderes para os consumidores processarem companhias como a Volkswagen depois que o escândalo conhecido como “Dieselgate” mostrou os limites das autoridades de proteção dos consumidores em coibir a corrupção corporativa.

A proposta do órgão executivo da UE, divulgada nesta quarta-feira, permitirá que alguns grupos lancem ações coletivas e autoridades de proteção de consumidores poderão impor penas mais severas.

Diante da frustração de Bruxelas sobre o poderio de empresas de veículos e de tecnologia, as multas vão subir para até 4 por cento do faturamento anual no caso de empresas consideradas culpadas de violar direitos de grandes grupos de consumidores.

“As autoridades de proteção dos consumidores vão finalmente ter meios para punir os corruptos”, disse a comissária europeia de Justiça, Vera Jourova. “Não pode ser barato trapacear.”

Autoridades europeias afirmaram, depois que a Volkswagen foi pega pelos Estados Unidos usando um software para trapacear em testes de emissões de poluentes de veículos a diesel, que precisavam de ferramentas para assegurar que os donos de carros europeus recebessem o mesmo tipo de compensação oferecido aos proprietários nos EUA.

Jourova afirmou que apenas duas autoridades nacionais de proteção de consumidores impuseram multas para a Volkswagen que somaram 5,5 milhões de euros. “Isso é nada em comparação com o que a Volkswagen pagou nos EUA”, disse ela.

Grupos empresariais afirmaram que o plano, que ainda precisa ser aprovado por governos nacionais e pelo parlamento europeu, pode levar a uma proliferação de processos. Os grupos também afirmaram que os consumidores na UE já desfrutam de algumas das regras mais duras de proteção do mundo.

Por Alissa de Carbonnel

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247