Usina solar do Mineirão beneficia 1,2 mil casas

Formada por seis mil placas de silício que transformam energia solar em elétrica, a usina solar localizada na cobertura do estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, abastecerá cerca de 1,2 mil residências de médio porte ao seu redor; estádio será palco de seis jogos da Copa; a Usina Solar Fotovoltaica (USF) Mineirão, orçada em R$ 12 milhões, tem uma potência instalada de 1,42 MWp

Usina Solar do Mineirao - Parceria entre Secopa e Cemig.

Credito: Renato Cobucci/Imprensa MG
Data: 16-05-2013
Local: Estadio Mineirao
Usina Solar do Mineirao - Parceria entre Secopa e Cemig. Credito: Renato Cobucci/Imprensa MG Data: 16-05-2013 Local: Estadio Mineirao (Foto: Leonardo Lucena)

Minas 247– Formada por seis mil placas de silício que transformam energia solar em elétrica, a usina solar localizada na cobertura do estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão", abastecerá cerca de 1,2 mil residências de médio porte ao seu redor. Reformado com um aporte R$ 695 milhões, o estádio será palco de seis jogos da Copa do Mundo. Orçada em R$ 12 milhões, a Usina Solar Fotovoltaica (USF) Mineirão tem uma potência instalada de 1,42 MWp, enquanto a implantação da USF Mineirinho, que terá uma potência de 1,1 MWp, está em processo de elaboração de edital. 

 O esquema para gerar energia sustentável funciona da seguinte forma: a energia elétrica é injetada na rede através da subestação de alimentação do Mineirão, que fica dentro do estádio. Toda a energia produzida vai para a rede – 10% retorna ao estádio e 90% é distribuída para o seu entorno.

O superintendente da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) Alexandre Bueno diz que a evolução da usina está a todo vapor. "É um pequeno passo para o homem e um grande salto para humanidade. Se comparar essa usina com a produção de energia no Brasil, são 10 mil vezes menor que Itaipu, por exemplo", afirmou.

Ainda fazendo um comparativo entre as duas usinas, o dirigente afirma que a do estádio mineiro "não é grande supridor de energia, mas olhando por outro lado é a primeira grande instalação conectada em caráter comercial". "Esse ponto é muito importante. Foi necessário revisar a regulação brasileira e criar mecanismos para introduzir energia solar", declarou Bueno, em entrevista ao Portal Terra.

De acordo com o representante da Cemig, os avanços na tecnologia "baratearam" o sistema de energia limpa."Belo Horizonte se tornou a capital nacional de aquecimento solar. Nas escolas e universidades já temos professores capacitados para difundir essa ideia. Isso tudo levou à cultura de energia solar. O custo veio caindo e isso veio se difundindo. Há poucos anos essa tecnologia que não estava viabilizada no Brasil por questões de custos começou a se aproximar de custos mais razoáveis e viáveis. Então a Cemig decidiu fazer o grande projeto", disse.

Bueno esclarece, ainda, que no período da noite as residências no entorno do estádio é feito por usinas hidrelétricas. "Temos que tratar energia como um balanço. Eu injeto de dia, por causa do sol, e alguma usina hidrelétrica em algum lugar do Brasil deixou de produzir essa energia, e à noite, sem sol, essa usina que deixou de produzir supre a demanda daquela residência. O importante é que no balanço energético colocou-se a disposição essa energia", detalha.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247