Valadares: Reforma da Previdência é mais uma forma de desrespeito às mulheres

"Essa proposta retira o tratamento diferenciado que as mulheres recebem em função da dupla ou até tripla jornada de trabalho que têm (trabalham fora para contribuir com o sustento da família, executam boa parte dos serviços domésticos e assumem a tarefa de educar os filhos)", afirmou o deputado; em discurso no plenário, ele levantou dados de homicídios cometidos contra mulheres e informações sobre as mulheres no mercado de trabalho

"Essa proposta retira o tratamento diferenciado que as mulheres recebem em função da dupla ou até tripla jornada de trabalho que têm (trabalham fora para contribuir com o sustento da família, executam boa parte dos serviços domésticos e assumem a tarefa de educar os filhos)", afirmou o deputado; em discurso no plenário, ele levantou dados de homicídios cometidos contra mulheres e informações sobre as mulheres no mercado de trabalho
"Essa proposta retira o tratamento diferenciado que as mulheres recebem em função da dupla ou até tripla jornada de trabalho que têm (trabalham fora para contribuir com o sustento da família, executam boa parte dos serviços domésticos e assumem a tarefa de educar os filhos)", afirmou o deputado; em discurso no plenário, ele levantou dados de homicídios cometidos contra mulheres e informações sobre as mulheres no mercado de trabalho (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sergipe 247 - Em discurso no plenário nesta quarta-feira 8, Dia Internacional da Mulher, o deputado federal Valadares Filho (PSB-SE) ressaltou que muitas das desigualdades e injustiças que motivaram o movimento das mulheres no final do século XIX e início do século XX, persistem até os dias atuais.

No que se refere às condições de trabalho, o parlamentar destacou que as mulheres continuam, comparativamente, recebendo por tarefas e cargos equivalentes, menos do que os homens. "As medidas para se colocar mais mulheres no mercado de trabalho não estão mostrando resultados, pois a maioria das vagas de emprego continuam sendo ocupadas por homens", alertou.

"Mas quando olhamos para carga de trabalho dos homens, constatamos que só 46% destes executam, também, serviços domésticos, além do trabalho fora de casa. Para agravar: enquanto as mulheres trabalham, em média, 20,6 horas semanais em tarefas domésticas, os homens ocupam apenas 9,8 horas com esse tipo de trabalho", disse ainda o deputado.

Em relação aos dados de homicídios cometidos contra mulheres, Valadares Filho destacou que, nesse ranking, o Brasil perde apenas para El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia. "Com uma taxa de 4,8 homicídios por 100 mil mulheres, o Brasil é o quinto país que mais comete violência contra a mulher; quarenta e oito vezes mais que o Reino Unido; vinte e quatro vezes mais que a Irlanda e a Dinamarca e dezesseis vezes mais que o Japão e a Escócia".

O que é mais grave, disse ele, é que a mulher está mais vulnerável dentro de sua própria casa. "27,1% dos registros de violência física ocorrem em casa; e, em mais de 65% dos casos os agressores são o marido ou companheiro".

Sobre as mulheres sergipanas, declarou que os dados não diferem muito do resto do mundo. "Dos casos de violência contra a mulher registrados em Sergipe, 72,41% são contra mulheres; desse percentual, 85,96% é de violência doméstica, sendo 70,71% desses casos são cometidos pelo parceiro".

Por fim, Valadares Filho destacou que o Brasil assiste, nesse momento, mais um ato de desrespeito às mulheres brasileiras. Segundo ele, a Reforma da Previdência que tramita na Câmara afeta mais às mulheres que os homens, quando propõe a fixação da idade mínima de 65 anos para aposentadoria, sem distinção para mulheres.

"Essa proposta retira o tratamento diferenciado que as mulheres recebem em função da dupla ou até tripla jornada de trabalho que têm (trabalham fora para contribuir com o sustento da família, executam boa parte dos serviços domésticos e assumem a tarefa de educar os filhos)", afirmou.

A desvinculação do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) do salário mínimo, segundo Valadares Filho, vai tornar ainda precária a vida das mulheres brasileiras, especialmente, aquelas mais pobres, como as trabalhadoras rurais, que recebem auxílio da Previdência Social.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247