Vítimas de enchente de 2010 protestam contra governo

Mais de 300 famílias de desabrigados pela enchente de 2010 da cidade de Santana do Mundaú fecharam o acesso de duas cidades em protesto contra o governo de Alagoas; eles cobram a entrega de mais de 400 casas prometidas para o ano passado; o Programa da Reconstrução em Alagoas é presidido pelo vice-governador do Estado, José Thomaz Nonô (DEM);

Vítimas de enchente de 2010 protestam contra governo
Vítimas de enchente de 2010 protestam contra governo
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - Mais de 300 famílias atingidas pela enchente de 2010 se mobilizaram em protesto na manhã desta quarta-feira (03), no município de Santana do Mundaú. Eles fecharam o acesso à cidade e também bloquearam a entrada de União dos Palmares. 
As famílias cobram do governo do Estado à entrega de mais de 400 casas prometidas no final do ano passado às pessoas que ficaram completamente desabrigadas ou em áreas de risco. O problema é que muitos continuam pagando aluguel desde 2010 com o bolsa-família, o que é insuficiente. O protesto tem o objetivo de chamar a atenção do Estado para a demora na entrega dos imóveis.


Em junho do ano passado, a população de Santana do Mundaú apelou por casas em protesto pelo município. Os moradores saíram às ruas a fim de cobrar os imóveis que, inclusive, já haviam sido entregues em dezembro de 2011 em sete municípios, dentre eles, Rio Largo, União dos Palmares, Murici, São José da Laje, Branquinha, Capela e Cajueiro. E, em Santana do Mundaú, 1.261 casas estavam em andamento; porém, muitas famílias ainda sofrem o descaso do poder público. 

Presidido pelo vice-governador do Estado, José Thomaz Nonô, o Programa da Reconstrução visa à construção e à entrega de 17.747 casas. Até o mês de fevereiro deste ano, mais de 6.600 unidades foram entregues nos municípios de Quebrangulo, Satuba, Capela, Rio Largo, Murici, São José da Laje, União dos Palmares, Branquinha, Atalaia e Paulo Jacinto.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email