Wagner: PT pode aceitar ser vice de Ciro Gomes

O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, que já foi cotado como um eventual 'Plano B' do PT, disse hoje que o partido pode abrir mão da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso há mais de três semanas, para ser vice de Ciro Gomes, do PDT; "Sempre defendi que, após 16 anos, estava na hora de ceder a precedência. Sempre achei isso. Não conheço na democracia ninguém que fica 30 anos. Em geral fica 12, 16, 20 anos. Defendi isso quando o Eduardo Campos ainda era vivo. Estou à vontade neste território”, disse ele; em resolução recente, no entanto, o PT lançou oficialmente a candidatura Lula, sob o mote 'Lula livre, Lula inocente, Lula presidente'

Brasília - O ministro Jaques Wagner, participa do programa Espaço Público, da TV Brasil (Elza Fiúsa/Agência Brasil)
Brasília - O ministro Jaques Wagner, participa do programa Espaço Público, da TV Brasil (Elza Fiúsa/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, que já foi cotado como um eventual 'Plano B' do PT, disse hoje que o partido pode abrir mão da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso há mais de três semanas, para ser vice de Ciro Gomes, do PDT. "Sempre defendi que, após 16 anos, estava na hora de ceder a precedência. Sempre achei isso. Não conheço na democracia ninguém que fica 30 anos. Em geral fica 12, 16, 20 anos. Defendi isso quando o Eduardo Campos ainda era vivo. Estou à vontade neste território”, disse ele, em Curitiba, ao jornalista Ricardo Galhardo.

Em resolução recente, no entanto, o PT lançou oficialmente a candidatura Lula, sob o mote 'Lula livre, Lula inocente, Lula presidente'. No entanto, Wagner defendeu as articulações feitas pelo ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que também é citado como alternativa do PT a Lula, e já se reuniu duas vezes com Ciro neste ano. “O Haddad teve uma conversa sobre a economia brasileira e acharam que era sobre política eleitoral no estrito senso. Esse é o caminho. Eu continuo na minha posição. O PT vai sustentar a candidatura do Lula até que alguém diga que ele está interditado definitivamente. Ninguém traça uma estratégia já pensando em plano B”, afirmou. “Acho que tem que conversar com todo mundo. Não só pensando na questão eleitoral mas pensando em como retomar um processo de crescimento sustentável com distribuição de renda no Brasil. Então acho que conversar com Ciro, Manuela (D'Avila, do PC do B) e Joaquim (PSB), faz parte da política”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247