Wellington destaca importância do resgate da cultura indígena

O governador Wellington Dias, na abertura da 16ª Semana dos Povos Indígenas, disse que continuará buscando os meios legais para reconhecer as comunidades indígenas; "Todos precisam saber que no Piauí existe índio. Vamos proporcionar a solução dos problemas e solicitações das tribos, incluindo educação, saúde, geração de renda. Temos acompanhado os litígios de terras e teremos bons resultados"

O governador Wellington Dias, na abertura da 16ª Semana dos Povos Indígenas, disse que continuará buscando os meios legais para reconhecer as comunidades indígenas; "Todos precisam saber que no Piauí existe índio. Vamos proporcionar a solução dos problemas e solicitações das tribos, incluindo educação, saúde, geração de renda. Temos acompanhado os litígios de terras e teremos bons resultados"
O governador Wellington Dias, na abertura da 16ª Semana dos Povos Indígenas, disse que continuará buscando os meios legais para reconhecer as comunidades indígenas; "Todos precisam saber que no Piauí existe índio. Vamos proporcionar a solução dos problemas e solicitações das tribos, incluindo educação, saúde, geração de renda. Temos acompanhado os litígios de terras e teremos bons resultados" (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Aline Medeiros e Lorenna Costa - O governador Wellington Dias participou, nesta quinta-feira (12), da abertura da 16ª Semana dos Povos Indígenas. O evento é realizado de 12 a 19 de abril pelo Museu do Piauí – Casa de Odilon Nunes e conta com uma vasta programação que ressalta a importância do resgate da cultura indígena no Piauí e no Brasil.

Segundo o chefe do Executivo estadual, o governo continuará trabalhando e buscando os meios legais para reconhecer as comunidades indígenas no estado. "Todos precisam saber que no Piauí existe índio sim. Vamos proporcionar a solução dos problemas e solicitações das tribos, incluindo educação, saúde e geração de renda dentro da sua realidade. Também temos acompanhado todas as questões sobre litígio de terras e teremos bons resultados", destacou Wellington.

O evento vai contar com a presença de lideranças indígenas piauienses, tais como os Tabajaras e Tapuios, de Piripiri, Canto da Várzea e Lagoa do São Francisco, e os Kariris, de Queimada Nova. "É um momento importante para nós, onde podemos lutar pelos nossos direitos. Foi nesta comemoração que surgiu a oportunidade de nos destacarmos, mobilizando e mostrando a importância de resgatar a cultura indígena no Piauí. É um evento que nos fortalece muito", disse o cacique Henrique, das tribos Tabajara e Tapuio. As tribos têm 102 famílias reconhecidas como indígenas. 

Durante esta semana, o Museu do Piauí recebe diversas visitas, dentre elas, a dos alunos de escolas estaduais. "Estamos sempre presentes no museu, trazendo os alunos para conhecer e prestigiar a nossa cultura e arte. Nesta semana dos povos indígenas, eles verão a importância que tiveram na construção do nosso espaço geográfico e na história do Piauí e do Brasil. A presença dos índios aqui é muito interessante para o aprendizado dos discentes", pontuou a professora do Liceu Piauiense Clemilda Bandeira.

De acordo com a secretária de Estado da Cultura, Bid Lima, o evento reconhece e mostra a importância dos índios para o país e abre espaço para a luta das tribos por seus direitos. "Nesta semana, é válido refletir sobre a importância do índio no país, na nossa constituição, formação e evolução. É preciso refletir, mas acima de tudo, é necessário que ações sejam realizadas e o governo já deu um grande pontapé articulando ações que possam inserir o índio, ou melhor, nos inserir na sua cultura, para entendermos que eles vieram antes e fazem parte da nossa história", ressaltou a gestora.

Programação:

Quinta-feira (12):

8h – Abertura  Oficial
8h15 – Abertura da Exposição “Grafismos étnico- urbanos”
Artistas: Aretusa Bispo, Dora Parentes, Evaldo Oliveira, Eliana Secreta, Jimmy Presley, Mika, Lucas Martins, Portelada e Stênio Ferreira;

8h30 – Ritual do Toré. Coffee break
9h – Palestra: Vozes ancestrais: conversas sobre a cultura dos povos indígenas. Ministrante: pós-doutor Daniel Munduruku
14h30 – II Conferência Nacional de Educação Indígena – Território Etnoeducacional Potiro:  apresentação dos resultados. Delegados da Conferência: Maria Francisca Pereira Ferreira (Kariri), prof.ª Maria da Conceição de Araújo (Tabajara Itamaraty), Cícero Dias (Tabajara Ipy), Joselane Dias Pereira, prof.ª Rita Pires Veloso (Seduc), prof.ª doutora Laureni Dantas de França (UFPI)
Facilitadora: Dora Medeiros (Historiadora, Diretora do Museu do Piauí);

17h – Ritual do Toré e manifestações culturais.

Sexta-feira (13):

8h às 12h – visita mediada à exposição;
9h – Mesa temática: Povos indígenas do Piauí e o processo emancipatório pela conquista dos seus direitos. GT Governamental Indígena: Supres / Seduc / Sesapi / Secult / Interpi / Emater / Incra/ Uespi / Lideranças indígenas. Facilitadora: Núbia Lopes ( Superintendente da Supres)
14h – Palestra: “Etnicidade e Resistência dos Povos Indígenas do Piauí”. Lançamento dos Livros: História dos Índios do Piauí e O Piauí que o Brasil quer Ver. Professora dra. Claudete Dias.
17h – Manifestações Culturais.

Sábado (14) e domingo (15):  

8h às 12h: visita mediada à exposição.

Terça-feira (17):       

8h às 12h – visita mediada à exposição;
9h – Palestra “Historiando com os Povos Indígenas do Piauí: Descolonizando a história”. Professora dra. Joina Borges (UFPI);
14h – Cine Museu.

Quarta-feira (18):    

9h – Palestra “Identidade e Processo Emancipatório Indígena: Saúde Diferenciada”. Profª. Doutora Laureni Dantas de França (UFPI/Novafapi), Raimar Pompeu (Indígena Guajajara);
14h30 – Cine Museu.

Quinta-feira (19) – Dia do Índio:

8h às 12h – visita mediada à exposição;
8h30 – Palestra: Museu da Comunidade  Indígena de Nazaré em Lagoa de São Francisco / Piauí: A cerâmica como Patrimônio cultural. Palestrantes: Acadêmico Pedro Victor e Dinayana Nascimento Tabajara;
9h40 – Performance poética “Mas agora eles só têm o dia 19 de abril”, com a atriz Tércia Maria;
10h – Espetáculo de dança Tremembés – Experimento 1. Coreografia de Datan Izaká. Escola Estadual de Dança  Lenir Argento;
14h30 – Cajuína no Museu com a convidada Mika (Artista visual). Programa Educativo do Museu do Piauí.
 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247