WikiLeaks revela suposta tentativa de suborno em compra de caças pelo governo Lula

Informao foi revelada pelo site de Julian Assange, que obteve cinco milhes de emails da Stratfor, brao privado de apoio a rgos do governo americano, com base no Texas

WikiLeaks revela suposta tentativa de suborno em compra de caças pelo governo Lula
WikiLeaks revela suposta tentativa de suborno em compra de caças pelo governo Lula (Foto: REUTERS/Finbarr O'Reilly_Andre Sousa Borges/AGÊNCIA ESTADO)

247 – O site Wikileaks, de Julian Assange, obteve mais de cinco milhões de e-mails da empresa Stratfor, baseada no Texas, considerada a "inteligência global" dos Estados Unidos – um braço privado de apoio às atividades da CIA. Os emails datam de julho de 2004 ao final de dezembro de 2011. Entre eles, uma conversa sobre o Brasil. Em outubro de 2010, já no final do governo Lula, um funcionário do governo americano no Brasil conversava sobre a compra iminente de aviões de combate pelo Brasil e afirmou a um consultor da empresa de inteligência e análise estratégica Stratfor, Marko Papic, categoricamente: "A compra de submarinos é tão sem sentido que só pode ter a ver com propina. Lula provavelmente está cuidando do seu plano de aposentadoria. E veja só: a compra acontece 'curiosamente' no fim de seu mandato. O mesmo vale para os jatos. Nosso Departamento do Tesouro é vingativo quando se depara com subornos. Não podemos fazer nenhum negócio real num lugar corrupto como o Brasil. Os franceses não têm esses problemas". Marko Papic acrescentou: "Não é que eu discorde, mas acredito que a França também tornou a propina ilegal". Segundo o WikiLeaks, o servidor americano finalizou a conversa afirmando: “Desculpe-me não ter mais informações no que diz respeito à estratégia brasileira. A nossa avaliação é de que isso é puramente suborno. A única diferença é que agora o Brasil tem dinheiro, muito dinheiro, e pode de fato adquirir os equipamentos. Quero dizer, seria mera coincidência eles comprarem tanto equipamento militar da França? Os franceses sabem como realizar subornos”. Em dezembro de 2008, o Brasil assinou com a França um acordo no valor de R$ 6,7 bilhões para construção de quatro submarinos Scorpène, uma base naval e um estaleiro. A compra de aviões de combate para a Força Aérea Brasileira, estimado em pelo menos R$ 10 bilhões, ainda não foi concluído. Há dias, a coluna Claudio Humberto revelou que o Brasil se prepara para anunciar em maio a opção pelos caças Rafale, produzidos pela francesa Dassault. A informação é do colunista Claudio Humberto.

Os e-mails também revelam o funcionamento interno de uma empresa que se apresenta como um editor de inteligência, mas na verdade presta serviços confidenciais para grandes corporações, como a Dow Chemical Co. de Bhopal, a Lockheed Martin, o Northrop Grumman, a Raytheon e agências governamentais, incluindo o Departamento de Segurança Interna dos EUA, os fuzileiros navais dos EUA, a Agência de Defesa e a CIA. Os e-mails mostram a rede de informante da Stratfor, sua estrutura de pagamentos, técnicas de lavagem de dinheiro e métodos de persuasão psicológica usados por seus agentee. Tais como: "Você tem que controlá-lo. Encontrar meios controlá-lo sexualmente, financeiramente ou psicologicamente ... O objetivo é iniciar a conversa em sua próxima fase. " (email de George Friedman, Diretor Executivo da Reva Bhalla, em 6 de dezembro de 2011, a um interlocutor da Stratfor sobre como explorar um informante de Israel que fornecia iformações sobre o estado de saúde do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

O material em poder do Wikileaks contém ataques internos no governo dos EUA contra Julian Assange. No lote, há mais de 4.000 e-mails que citam WikiLeaks ou Assange. Os e-mails também expõem lobistas em empresas privadas de inteligência nos Estados Unidos. Fontes do governo e diplomatas de todo o mundo usam a Stratfor para dar informações do que vai acontecer na política mundial e seus eventos em troca de dinheiro. Os arquivos mostram como a Stratfor Global Intelligence recrutou uma rede global de informantes que são pagos através de contas bancárias na Suíça e cartões de crédito pré-pagos. A Stratfor opera com uma mistura de informantes abertos e à paisana, incluindo funcionários do governo, de embaixadas e jornalistas de todo o mundo.

O material mostra como uma agência de inteligência privada age para capturar indivíduos para os seus clientes, tanto corporativos e governamentais. Por exemplo: emails revelam como a Stratfor monitora e analisa atividades on-line de ativistas de Bhopal, na Índia, incluindo o "Yes Men", em torno da atuação da gigante americana Dow Chemical. Esses ativistas espionados buscam reparação e indenização do desastre químico ocorrido em 1984, em uma planta de processamento de gás de propriedade da Dow Chemical / Union Carbide, em Bhopal. O desastre causou milhares de mortes, ferimentos em mais de meio milhão de pessoas e danos permanentes ao meio ambiente.

Há emails que mostram que a Stratfor passou a considerar arriscado o uso rotineiro de subornos em dinheiro para obter informações secretas. Em agosto de 2011, o CEO da Stratfor, George Friedman, confidencialmente, disse aos seus funcionários: "Estamos mantendo um escritório de advocacia para criar uma política de Stratfor sobre a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior. Eu não vou lidar com isso e não quero que ninguém aqui queira usar isso”.

O uso de informações privilegiadas em assuntos de inteligência pela Stratfor logo se tornou uma maneira de ganhar dinheiro de legalidade duvidosa. Os e-mails mostram que em 2009 o então diretor-gerente da Goldman Sachs, Morenz Shea, e o então diretor executivo da Stratfor, George Friedman, moldaram uma idéia de "uso da inteligência", retirando a sua rede de informações privilegiadas para começar um segredo estratégico de um fundo de investimento. George Friedman, CEO, disse em um documento confidencial de 08-2011, marcado’não compartilhar ou discutir’: "O que a StratCap vai fazer é o uso da inteligência da Stratfor e suas análises para o comércio de uma vasta gama de instrumentos geopolíticos , especialmente títulos do governo, moedas e similares ". Os e-mails mostram que, em 2011, Morenz investiu mais de US $ 4 milhões e se juntou ao conselho da Stratfor. Ao longo de 2011, foi erguida uma estrutura complexa que se estendeu a África do Sul, concebida para tornar StratCap aparentemente juridicamente independente da Stratfor. Mas, confidencialmente, disse Friedman ao seu pessoal interno: "Não pense no StratCap como uma organização externa ... Será útil se, por conveniência, pensar nele como um outro aspecto da Stratfor, e Shea como outro executivo Stratfor ... estamos trabalhando e portfoliios de carteiras simuladas. " O fundo StratCap tem seu lançamento previsto para 2012.

As mensagens de e-mail revelam que a Stratfor cultivou relações estreitas com as agências governamentais dos EUA, empregando ex-funcionários do governo dos EUA. O cerco a esses objetivos incluiu até mesmo a preparação de previsão do tempo para 3 anos para o comandante do Corpo de Fuzileiros Navais EUA e pessoal de bordo dos navios americanos e "outras agências governamentais de inteligência". Seria um meio de criar uma face pública de relacionamento entre a empresas privada de espionagem e os órgãos governamentais. O vice-presidente de Stratfor Intelligence, Fred Burton, foi agente especial do Serviço de Segurança Diplomática do Departamento de Estado dos EUA e vice-chefe da Divisão de Contraterrorismo. Apesar do relacionamento com o governo, empresas como a Stratfor trabalham em segredo absoluto, sem controle oficial e responsabilização política. A Stratfor afirma que opera "sem programa, ideologia ou viés nacional". No entanto, e-mails revelam que a companhia de inteligência privada está estreitamente alinhada com as políticas do governo dos EUA e sugestões de serviços secretos como o Mossad israelense, o que inclui até um "mula de informação "no jornal israelense Haaretz, Yossi Melman, que teria conspirado com o jornalista do inglês The Guardian, David Leigh, em segredo e em violação do contrato do próprio The Guardian com o Wikileaks, no sentido de tirar do site telegramas diplomáticos dos EUA em Israel.

Ironicamente, considerando as circunstâncias, a Stratfor estava tentando entrar no "negócio" de revelações que surgiram após a publicação do Wikileaks sobre o Afeganistão:

"É possível para nós para obter algumas das revelações que" Carrossel " tem? Nós temos algo a oferecer em benefício do que as empresas de segurança informática fazem, especialmente pelo nosso foco em inteligência e contra-vigilância. Isso Vara e Fred sabem melhor do que qualquer um no planeta ... Podemos desenvolver algumas idéias e procedimentos sobre a idéia de segurança em rede focada no combate às revelações, que incide sobre a prevenção de funcionários se causar um vazamento de informações sigilosas ... Na verdade, eu não tenho certeza se este é um problema de investimento em tecnologia que requer investimento em tecnologia como uma solução. "

Como Wikileaks tem, agora, outra vez, quilos de telegramas diplomáticos, muito do significado dos e-mails será anunciado nas próximas semanas. Irá se descobrir, por exemplo, que a Stratfor fez uma associação de cortesia com o polêmico paquistanês general Hamid Gul, ex-chefe do ISI, o serviço de inteligência do país. Segundo telegramas diplomáticos dos EUA, ele planejou um ataque à bomba contra as forças internacionais no Afeganistão em 2006. Os leitores vão descobrir o sistema interno de classificação Stratfor, a codificação correspondência por e-mail, de acordo com categorias como 'alfa', 'tática' e 'seguro'. A correspondência também contém nomes de código para as pessoas de interesse especial como Izzies (membros do Hezbollah), ou Adogg (Mahmoud Ahmadinejad).

Os e-mails revelam que a Stratfor fez acordos secretos com dezenas de meios de comunicação e jornalistas da Reuters sobre o Post Kiev. A lista de "Confederação dos Parceiros" Stratfor, que a própria companhia refere como sua "Casa das Confederações foda", também está incluído na declaração. Embora seja aceitável para os jornalistas trocar informações ou a ser pago por outros meios, como Stratfor é uma organização privada que atende a clientes governamentais e privados, essas relações também pode ser vistas como corruptas.

Wikileaks obteve, ainda, a lista de informantes e, em muitos casos, os registros de pagamentos feitos pela Stratfor, incluindo US $ 1.200 por mês pagos ao informante "Geronimo", o ex-agente do Departamento de Estado EUA Fred Burton.

O Wikileaks criou uma parceria de pesquisa com mais de 25 organizações de mídia e ativistas para informar o público sobre essa enorme massa de documentos. As organizações têm acesso a um sofisticado banco de dados de pesquisa desenvolvido pelo WikiLeaks. É certo que a mídia mundial vai bombar de segredos nas próximas semanas com a liberação gradual dos documentos originais (Óscar Carrión).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247