Zanin diz que Moro não é competente e age com motivação política

Em sua fala, advogado Cristiano Zanin lembrou que o próprio juiz Sergio Moro afirmou jamais relacionou o caso Lula a contratos da Petrobras – objeto da acusação; Zanin diz que o juízo jamais afirmou na sentença que os valores nos contratos da Petrobras foram utilizados para pagar vantagens indevidas ao ex-presidente. Por isso, a competência jamais poderia ter existido. "Buscou-se de uma afirmação, sem qualquer respaldo", diz; acompanhe ao vivo

Em sua fala, advogado Cristiano Zanin lembrou que o próprio juiz Sergio Moro afirmou jamais relacionou o caso Lula a contratos da Petrobras – objeto da acusação; Zanin diz que o juízo jamais afirmou na sentença que os valores nos contratos da Petrobras foram utilizados para pagar vantagens indevidas ao ex-presidente. Por isso, a competência jamais poderia ter existido. "Buscou-se de uma afirmação, sem qualquer respaldo", diz; acompanhe ao vivo
Em sua fala, advogado Cristiano Zanin lembrou que o próprio juiz Sergio Moro afirmou jamais relacionou o caso Lula a contratos da Petrobras – objeto da acusação; Zanin diz que o juízo jamais afirmou na sentença que os valores nos contratos da Petrobras foram utilizados para pagar vantagens indevidas ao ex-presidente. Por isso, a competência jamais poderia ter existido. "Buscou-se de uma afirmação, sem qualquer respaldo", diz; acompanhe ao vivo (Foto: Aquiles Lins)

Rio Grande do Suil 247 - O advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, fala neste momento e diz que a ação da "tropa de choque" é "censura ao povo". 

Zanin diz que o juízo jamais afirmou na sentença que os valores nos contratos da Petrobras foram utilizados para pagar vantagens indevidas ao ex-presidente. Por isso, a competência jamais poderia ter existido. "Buscou-se de uma afirmação, sem qualquer respaldo", diz Zanin. 

"Não, o triplex não é do ex-presidente Lula. Todos nós sabemos que o triplex pertence e sempre pertenceu à OAS", disse o advogado. 

Leia reportagem da Reuters sobre o assunto: 

O posicionamento do Ministério Público Federal na denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostra como a força-tarefa da Lava Jato vem atuando com pensamento de censura à defesa, à academia e ao povo, afirmou o advogado de defesa do petista Cristiano Zanin Martins durante julgamento de recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre.

“Se houve alguma situação que chegou a tangenciar o ilícito não foi por parte da defesa”, disse o advogado de Lula, acrescentando que o poder do Estado tem limite e não pode ser usado da forma que vem sendo pelo MPF.

Zanin reiterou ainda, em sua fala ao tribunal, que não houve recebimento de vantagem indevida por parte de Lula uma vez que o ex-presidente não é o dono do tríplex no Guarujá (SP) que o MPF afirma ser pagamento de propina por parte da empreiteira OAS.

A 8ª Turma do TRF-4 julga recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a condenação a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo.

Acompanhe ao vivo: 

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247