Zelotes: Juiz autoriza ouvir Guimarães, Tasso e Dilma

O juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, autorizou que o deputado federal José Guimarães (PT-CE), o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e a presidente Dilma Rousseff (PT), além de outros políticos, sejam ouvidos como testemunhas de defesa em processo que apura compra de medida provisória que beneficiou o setor automotivo, de acordo com inquérito da Operação Zelotes. Os políticos poderão ser ouvidos por escrito

O juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, autorizou que o deputado federal José Guimarães (PT-CE), o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e a presidente Dilma Rousseff (PT), além de outros políticos, sejam ouvidos como testemunhas de defesa em processo que apura compra de medida provisória que beneficiou o setor automotivo, de acordo com inquérito da Operação Zelotes. Os políticos poderão ser ouvidos por escrito
O juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, autorizou que o deputado federal José Guimarães (PT-CE), o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e a presidente Dilma Rousseff (PT), além de outros políticos, sejam ouvidos como testemunhas de defesa em processo que apura compra de medida provisória que beneficiou o setor automotivo, de acordo com inquérito da Operação Zelotes. Os políticos poderão ser ouvidos por escrito (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - O deputado federal José Guimarães (PT-CE), o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e a presidente Dilma Rousseff serão ouvidos como testemunhas de defesa em um processo que apura suposta compra de medida provisória que beneficiou o setor automotivo, conforme apontado em inquérito da Operação Zelotes. A autorização foi expedida antes de ontem pelo juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira.

O juiz fez a ressalva de que Dilma e os outros políticos possam ser ouvidos por escrito, como previsto no artigo 221 do Código de Processo Penal. Segundo a 10ª Vara, os políticos também poderão declarar por escrito que nada sabem sobre os fatos citados na denúncia do Ministério Público Federal e, assim, poderão ser dispensados de responder a perguntas.

Caso queiram dar um depoimento presencial, poderão indicar, em prévio ajuste com o juiz, hora e local. Os políticos, incluindo a presidente, foram arrolados como testemunha pela defesa do empresário Eduardo Valadão, ex-sócio do lobista Alexandre Paes dos Santos. Valadão foi preso em outubro passado e solto dois meses depois, por decisão, em habeas corpus, do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Nefi Cordeiro. 

Nos autos da Operação Zelotes, não há referência a eventual ligação profissional ou pessoal entre Valadão e os políticos citados. A intenção da defesa de Valadão seria mostrar que Dilma, na qualidade de ex-ministra da Casa Civil (2005-2010), e os outros políticos, que como parlamentares participaram da votação, no Congresso Nacional, da MP 471, nada sabem ou não confirmam a versão sobre “compra” das MPs investigadas na Zelotes. Os textos de MPs passam pelo crivo da Casa Civil antes de serem assinados pelo presidente da República.

Também serão intimados outros políticos, como o atual ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT-SP), os senadores José Agripino Maia (DEM-RN) e Walter Pinheiro (PT-BA) e o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA).

(Com informações do jornal O Povo)

Leia mais aqui 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247