“Talvez eu tenha ficado mais noites sem dormir, mas isso é desigualdade”, diz juíza ex-doméstica e que já dormiu na rua

Antonia Marina Faleiros, de 57 anos, atua no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) há 18 anos. Ela foi empregada doméstica, dormiu na rua e estudou com folhas de apostilas jogadas no lixo

Antonia Marina Faleiros. Foto: Reprodução
Antonia Marina Faleiros. Foto: Reprodução
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Apesar de seu posto de autoridade, a juíza Antonia Marina Faleiros, 57, que atua no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) há 18 anos, possui uma história destoante da maioria dos que ocupam cargos parecidos. No passado, ela foi empregada doméstica, dormiu na rua e estudou com folhas de apostilas jogadas no lixo.

Em entrevista à Revista Época, a juíza disse: “Eu não sou uma iluminada, uma pessoa com estrela diferente. Não tenho nenhum componente que me diferencie das pessoas. Talvez eu tenha ficado mais noites sem dormir em relação às pessoas ao meu redor, mas isso é a desigualdade. Pregar que não é necessário nenhum tipo de apoio, nenhum tipo de ação que consiga compensar as desigualdades é extremamente perverso. Eu digo que este discurso é somente uma cortina para aplacar a consciência de quem fecha as portas, de quem não estende as mãos, de quem nega solidariedade”.

Antonia ainda fala sobre racismo e defende formas de retribuição à população que não teve as mesmas oportunidades que ela e outros magistrados: “Temos a obrigação de nos fazermos visíveis como representações sociais positivas, capazes de estimular e incentivar as novas gerações. Dizer ‘estou aqui, estamos aqui, somos visíveis, temos esse espaço, há juízes negros’. A negritude tem um fator de exclusão muito forte no nosso país, há racismo embora disfarçado de piada, mas ele está na formação da nossa mentalidade. Cada vez que for possível desconstruir o discurso, faça”, diz.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247