CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após morte de Bruno e Dom, servidores da Funai param na quinta por saída do presidente da fundação

Categoria exige ainda investigação e punição aos assassinos do indigenista Bruno Periera e do jornalista Dom Phillips

Bruno Pereira e Dom Philips
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CUT - Os servidores e servidoras da Fundação Nacional do Índio (Funai) decidiram entrar em greve nesta quinta-feira (23), a partir das 10h, em todas as unidades dos estados e no Distrito Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A greve exige a responsabilização de todos os culpados pelos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips e a saída imediata do presidente do órgão, Marcelo Augusto Xavier da Silva, que é delegado da Polícia Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Por uma Funai indigenista e para os povos indígenas! Pela proteção das/os indigenistas, dos Povos Indígenas e de suas lideranças, organizações e territórios! Convidamos as/os parceiras/os indígenas, indigenistas e da sociedade em geral para o Ato Nacional de Greve da Funai!", diz trecho de nota divulgada pela fundação Indigenistas Associados (INA).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Para os servidores da INA, Xavier "vem promovendo uma gestão anti-indígena e anti-indigenista na instituição".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na segunda feira (13), em parceria com o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), a fundação divulgou um dossiê onde acusa a Funai da implementação da política anti-indigenista, marcada pela não demarcação de territórios, sob o governo de Jair Bolsonaro (PL).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda de acordo com a INA, a Funai promove perseguição a servidores e lideranças indígenas, militarizou os cargos estratégicos, promove o esvaziamento de quadros da entidade e do orçamento, além de assédio institucional, alinhamento com a agenda ruralista e omissões na esfera judicial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo reportagem da Folha de S Paulo, apenas 4 em cada 10 cargos da Funai estão atualmente ocupados. De um total de 3.700 postos, cerca de 1.400 têm servidores permanentes em atividade, enquanto o restante encontra-se vago. Outros 600 trabalhadores são temporários e foram contratados após uma ordem do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda segundo o jornal, servidores da Funai ouvidos sob condição de anonimato afirmaram que a falta de recursos é hoje um dos maiores obstáculos para a atuação do órgão, o que inclusive dificultou as operações de busca de Bruno Pereira e Dom Phillips.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (CONDSF/FENADSEF), a Associação Nacional dos Servidores da Funai (ANSEF) e a fundação  Indigenistas Associados (INA) convocando todos os servidores a participar, em greve, do Ato Nacional que estçao organizando para a próxima quinta-feira (23), a partir das 10 horas, nas unidades da Funai espalhadas por todos os estados e o Distrito Federal - Funai Sede, Coordenações Regionais, Coordenações Técnicas Locais, Frentes de Proteção Etnoambientais e Museu do Índio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE