Aras revoga grupo de trabalho sobre investigações do caso Dom e Bruno

O Conselho Nacional do Ministério Público disse não ter a função de acompanhar uma investigação em andamento, considerada a "atividade fim" do MP

www.brasil247.com - Bruno Pereira e Dom Phillips
Bruno Pereira e Dom Phillips (Foto: REUTERS/Bruno Kelly | Reprodução/TV Globo | Reprodução/Twitter)


247 - O Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, extinguiu um grupo que havia sido criado no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para acompanhar a investigação sobre a morte do indigenista da Fundação Nacional do Índio (Funai) Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips - os dois foram assassinados no dia 5 deste mês na Amazônia. O conselho disse não ter a função de acompanhar uma investigação em andamento, considerada a "atividade fim" do Ministério Público. A informação foi publicada nesta segunda-feira (27) pelo jornal O Globo

O chefe da PGR criou o grupo em 21 de junho e revogou a portaria no dia seguinte. Formariam o grupo o promotor de Justiça Sérgio Henrique Furtado Coelho, o procurador da República Júlio José Araújo Júnior, o promotor André Paulo dos Santos Pereira e o juiz Luciano Nunes Maia Freire. Os profissionais são ligados à área indígena em suas esferas de atuação.

A PGR confirmou via assessoria de imprensa a extinção do grupo porque se considerou que não havia necessidade, pois o trabalho de investigação está sendo feito pela Promotoria estadual do Amazonas e pelo MPF.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email