Cármen Lúcia inclui presidente do Ibama em inquérito que investiga Salles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente do Ibama, Eduardo Bim, são acusados de cometer delitos de advocacia administrativa, dificultar a fiscalização ambiental e impedir a investigação de infração penal que envolva organização criminosa

Cármen Lúcia, Ricardo Salles e Eduardo Bim
Cármen Lúcia, Ricardo Salles e Eduardo Bim (Foto: ABr | Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a inclusão do presidente do Ibama, Eduardo Bim, no inquérito que apura crimes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

A magistrada deu 30 dias para a Polícia Federal concluir as diligências necessárias, o que inclui a oitiva do presidente do Ibama, e encerrar as investigações.

Salles e Bim são acusados de cometer delitos de advocacia administrativa, obstar ou dificultar a fiscalização ambiental e impedir ou embaraçar a investigação de infração penal que envolva organização criminosa.

A ministra do STF, nesta segunda-feira, 7, negou um pedido da defesa de Ricardo Salles para retirar dos autos uma petição para que sejam juntados ao processo documentos relativos a outras investigações contra ele.

Na semana passada, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a abertura do inquérito contra Ricardo Salles, mas não incluiu Bim, que tem nome listado como um dos envolvidos na notícia crime encaminhada pela PF. Segundo Carmen Lúcia, a situação fática e jurídica do presidente do Ibama é semelhante à de Salles.

A notícia-crime foi apresentada pelo ex-superintendente da Polícia Federal do Amazonas, Alexandre Saraiva. Saraiva acusa Salles de tentar atrapalhar a Operação Handroanthus, que investiga um esquema de desmatamento ilegal na região.

A Operação Handroanthus, da PF, investiga a importação ilegal de madeira brasileira aos Estados Unidos e resultou na apreensão de cerca de 200 mil metros cúbicos de madeira extraída por organizações criminosas.

Esta é a segunda investigação contra Salles no STF. A primeira está sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes, que resultou até em operação de busca e apreensão contra o ministro do Meio Ambiente e foi batizada de Operação Akuanduba, na qual Bim também é alvo.

Desmatamento em terras indígenas aumenta 150%

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam o resultado das políticas ambientais de Jair Bolsonaro e do ministro Salles. O desmatamento na Amazônia cresceu 46% nos primeiros dois anos do atual governo se comparados ao período entre 2017 e 2018, chegando a mais de 21 mil km2 desmatados. Este é o maior número da década em dois anos consecutivos.

Em unidades de conservação, a taxa de desmatamento saltou 62% nos dois primeiros anos do governo Bolsonaro em comparação aos dois anos anteriores. Nas terras indígenas o número é ainda mais aterrorizante: um crescimento de 150%.

Nesta sexta-feira, 4, o Inpe divulgou que o desmatamento em maio deste ano cresceu 40% em relação ao mesmo mês do ano passado. 

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email