Cerca de 90% das madeiras retiradas da Amazônia são ilegais, dizem membros da PF

Entenda como madeireiros conseguem "esquentar" produtos brasileiros para burlar a fiscalização. O esquema é tão grande e tão poderoso que até o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, passou a ser investigado por facilitar a exportação de madeira ilegal

Amazônia
Amazônia (Foto: PF / Amazônia Real / Fotos Públicas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Membros da Polícia Federal ouvidos pelo Estado de S. Paulo afirmam que aproximadamente 90% das madeiras retiradas da Amazônia têm origem na exploração ilegal. O esquema de exportação ilegal alimenta os mercados dos Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Holanda, Bélgica, China, Tailândia e México, entre outros.

Grandes volumes de investimentos fazem com que infratores consigam burlar a fiscalização da exploração de madeira. Em conluio com servidores públicos, que agem em troca de propina, madeireiros adulteram o DOF (Documento de Origem Florestal) com informações falsas de áreas que possuem autorização para o corte de madeira. Tais autorizações são chamadas de "créditos florestais". Assim, os infratores conseguem "esquentar" a madeira retirada ilegalmente da Amazônia.

O esquema é tão poderoso que até mesmo o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, passou a ser investigado por supostamente facilitar a exportação de madeira ilegal do Brasil. O presidente do Ibama, Eduardo Bim, foi afastado do cargo pelo mesmo motivo.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email