CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conferência da ONU termina com declaração sobre emergência global dos oceanos

Declaração de Lisboa reconhece a importância fundamental dos mares para o equilíbrio do planeta e enumera alguns dos principais problemas dos oceanos

Peter Thomson, Enviado Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para o Oceano, fala durante o encerramento da Conferência do Oceano da ONU 2022 em Lisboa, Portugal, 1 de julho de 2022
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

247 com agências - A Conferência dos Oceanos da ONU (Organização das Nações Unidas) terminou nesta sexta-feira com uma declaração que alerta para a situação crítica dos mares e pede mais ambição para salvar os sistemas marinhos. A convenção reuniu, em Lisboa, cerca de 7.000 representantes, entre eles chefes de Estado, cientistas e ONGs. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Estamos profundamente alarmados com a emergência global que enfrenta o oceano", diz o documento, aprovado por unanimidade por mais de 150 países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O texto, batizado de Declaração de Lisboa, reconhece a importância fundamental dos mares para o equilíbrio do planeta e enumera alguns dos principais problemas dos oceanos, como a elevação do nível, o aquecimento e acidificação das águas, além da poluição e da sobrepesca. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Cobranças

Grupos ambientalistas pediram os líderes mundiais que cumpram as promessas que fizeram na Conferência e façam tudo ao seu alcance para salvar os mares do mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O oceano, o clima e as comunidades costeiras em todo o mundo precisam de progresso real, não de promessas, quando se trata da saúde dos oceanos”, disse Marco Lambertini, diretor geral do World Wildlife Fund (WWF).

A conferência reuniu cerca de 7.000 delegados, incluindo chefes de Estado, cientistas e ONGs. Muitos temiam que a crise energética causada pela guerra na Ucrânia pudesse minar os esforços para combater as mudanças climáticas. Outros, incluindo o presidente Emmanuel Macron, da França, expressaram preocupação com a mineração em alto mar e alguns pediram uma moratória.

Os participantes da conferência avaliaram o progresso na implementação de uma diretiva da ONU para proteger a vida marinha.

O WWF disse aos líderes para aproveitar o momento e resolver questões de longa data em torno da proteção do alto mar, como a poluição plástica, promulgando e ratificando rapidamente "tratados globais robustos".

Lisboa é a última grande reunião política antes dos Estados-membros se reunirem em agosto para tentar elaborar um tratado há muito esperado para proteger mares abertos além das jurisdições nacionais. Laura Meller, do Greenpeace, disse que o sucesso da conferência de Lisboa será medido em agosto.

"Já vimos muitas declarações antes, ouvimos muitas promessas, compromissos e compromissos voluntários", disse Meller. "Mas se as declarações pudessem salvar os oceanos, eles não estariam à beira do colapso."

A mineração de águas profundas foi um tema quente na conferência, com Macron dizendo na quinta-feira que uma estrutura legal era necessária para impedir que a mineração em águas profundas continuasse.

Há um interesse crescente na mineração em alto mar, juntamente com a pressão de alguns grupos ambientais e governos para bani-la ou pelo menos promulgar regulamentações apropriadas.

Várias nações, como as ilhas do Pacífico de Palau e Fiji, pediram uma moratória global em toda a mineração em alto mar, citando preocupações ambientais e falta de dados científicos suficientes.

"O impulso criado esta semana é um ponto de inflexão para o oceano profundo, o coração azul do nosso planeta", disse Sian Owen, diretor da Deep Sea Conservation Coalition. "O presidente Macron ecoou efetivamente os incontáveis ​​apelos... para pressionar 'pausa' em toda e qualquer ambição de minerar o mar profundo."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE