Equipe da Globo é agredida durante reportagem sobre incêndios

De acordo com o jornalista Bruno Motta, o proprietário da fazenda pegou o celular de suas mãos e o segurou pelo colarinho da camisa

247 - Uma equipe da TV Centro América, afiliada da Globo, foi agredida nessa quarta-feira (21) durante a produção de uma reportagem para o "Globo Rural" sobre combate a incêndios em terras onde se cultiva algodão, próximas ao município de Lucas do Rio Verde (MT). O repórter Bruno Motta confirmou a informação. Ele foi agredido por um fazendeiro. De acordo com o jornalista, o proprietário da fazenda pegou o celular de suas mãos e o segurou pelo colarinho da camisa. Os dois faziam gravações em frente a uma algodoeira que havia sofrido prejuízo de R$ 17 milhões por conta de incêndios. As informações foram publicadas nesta quinta-feira (22) pela coluna Splash.

"Fomos ameaçados", disse Motta. "Ele fazia uma encenação como se fosse tirar algo das costas, e falou que nos buscaria em casa caso o material fosse veiculado. Em determinado momento me puxou pelo colarinho, pegou o celular da emissora das minhas mãos e não queria devolver. Não deixava nem a gente ir embora. Tentamos manter a calma para que ele também se acalmasse", acrescentou. 

O jornalista estava acompanhado do repórter cinematográfico Alexandre Perassoli. O repórter afirmou que a equipe da Globo pediu autorização para gravar dentro do local, mas, como não teve autorização, eles fizeram as gravações fora dos limites da fazenda, em uma rodovia. 

CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Parte das imagens do confronto foram exibidas pelo jornal local da Globo, o "MT1". O repórter afirmou que a equipe da afiliada da Globo procurou a delegacia de Lucas do Rio Verde. O caso foi registrado como ameaça e preservação de direito.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.