EUA não podem decepcionar novamente o mundo na questão climática, cobra China

Os Estados Unidos definiram na COP26 o objetivo de zero poluição de carbono na produção de eletricidade até 2035. "Desta vez, Washington não pode decepcionar novamente o mundo inteiro", cobra artigo na mídia chinesa

Presidente dos EUA, Joe Biden, na conferência da ONU sobre o clima em Glasgow
Presidente dos EUA, Joe Biden, na conferência da ONU sobre o clima em Glasgow (Foto: Adrian Dennis/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News

Rádio Internacional da China - A 26ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (COP26) foi encerrada na noite do dia 13 em Glasgow, no Reino Unido. As diversas partes participantes alcançaram um consenso quanto aos regulamentos de implementação do Acordo de Paris. Mas, como o próprio presidente da COP26 Alok Sharma disse, o processo foi muito difícil.

O evento foi prolongado por mais um dia e até o último minuto ainda tinha alguns países que queriam mudar a decisão final. Tudo isso mostra a dificuldade da cooperação da humanidade para enfrentar as mudanças climáticas. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apontou que o documento final da COP26 é um grande progresso.

A China e os Estados Unidos publicaram no dia 10 em Glasgow a Declaração Conjunta sobre o Fortalecimento das Ações Climáticas nos Anos 20 do Século XXI, a qual é um importante resultado tanto para a cooperação bilateral sino-norte-americana quanto para a aprovação do documento histórico da COP26. O vice-presidente da União Europeia, Frans Timmermans, disse que esta declaração conjunta trouxe esperança e a cooperação entre a China e os EUA é muito incentiva, dando uma base para a elaboração do documento de Glasgow.

PUBLICIDADE

Os conteúdos da declaração sino-norte-americana também são pragmáticos. Os EUA definiram o objetivo de zero poluição de carbono na produção de eletricidade até 2035. A China disse que diminuirá passo a passo o consumo de carvão durante seu 15º Plano Quinquenal (2026-2030). Os dois países também prometeram relatar suas contribuições em 2025 e 2035.

Como um grande país em desenvolvimento, a China sempre foi um exemplo para enfrentar as mudanças climáticas. O país já elaborou seu projeto de ações para o pico da emissão de carbono antes de 2035. Atualmente, cerca de 1,2 mil hectares de florestamento são feitos na China por dia.

PUBLICIDADE

No entanto, a comunidade internacional ainda está muito preocupada com as promessas dos EUA. As políticas climáticas nunca foram um tema científico na Casa Branca, mas sim, uma ferramenta da luta política entre os dois partidos do país. O governo Clinton assinou o Protocolo de Kyoto, mas o governo Bush se retirou do acordo. O governo Obama assinou o Acordo de Paris, mas o governo Trump o rasgou.

Desta vez, Washington não pode decepcionar novamente o mundo inteiro. Os EUA devem tomar mais ações detalhadas, reduzir suas emissões e oferecer apoio financeiro e tecnológico aos países em desenvolvimento. Em resumo, devem agir como uma potência responsável.

PUBLICIDADE

Tradução: Luís Zhao
Revisão: Erasto Santos Cruz

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email