Municípios da Amazônia que mais desmatam registram piores condições de vida, diz pesquisa

Pesquisa do Imazon aponta que os piores índices são os do Pará, que lidera a lista do desmatamento ilegal, e Roraima

www.brasil247.com -
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Pesquisa realizada pelo Imazon sobre o Índice de Progresso Social (IPS) nas 772 cidades da Amazônia Legal aponta que os municípios que mais desmataram a mata nativa são os que registram as piores condições de vida da população. Segundo o jornal O Globo, o levantamento destaca que enquanto o IPS médio do Brasil é  de 63,29, nos 20 municípios que mais destruíram a floresta nos últimos três anos este indicador é de 52,38, 21% abaixo da média nacional, além de ser inferior quando comparado ao da Amazônia (54,59).

Segundo a pesquisa, que avalia 45 indicadores - como mortalidade infantil e materna e condições de moradia, por exemplo -,caso a Amazônia fosse um país, estaria ao lado de países como o Camboja e Nigéria. Atualmente, todos os estados da Amazônia possuem o IPS abaixo da média nacional. Os piores índices são os do Pará (52,94), que lidera a lista do desmatamento ilegal, e Roraima (52,37). Apenas 2% dos municípios da Amazônia têm IPS acima da média nacional. 

“Estamos desmatando sem gerar riqueza. Além de não gerar desenvolvimento, o desmatamento mantém a Amazônia num abraço mortal de pobreza”, diz o co-fundador do Imazon e um dos líderes do estudo, Beto Veríssimo.

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email