Seca atinge Reino Unido em meio à crise de energia

O Reino Unido enfrenta o verão mais seco dos últimos 50 anos

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


Sputnik Mundo - O Reino Unido enfrenta o verão mais seco dos últimos 50 anos. A Agência Ambiental do governo britânico decidiu declarar seca em oito áreas da Inglaterra.

Esta situação, replicada em diferentes pontos do resto da Europa de acordo com o Observatório Europeu da Seca, soma-se à crise energética que o continente atravessa devido às sanções impostas ao gás natural, petróleo e outras fontes de energia importadas da Rússia, o que tem disparado os preços de serviços como eletricidade e tem motivado pedidos para moderar seu uso em sistemas como ar condicionado.

Após uma reunião do Painel Nacional da Seca, que reúne a agência ambiental, governo, empresas de água e grupos representativos chave sob uma chamada do ministro da Água, Steve Double, a seca foi determinada em Devond e Cornwall; Solent e South Downs; Kent e sul de Londres; Herts e norte de Londres; East Anglia, Tamisa, Lincolnshire e Northmaptonshire, além de East Midlands.

A análise considerou a pluviosidade, o volume de água nos rios, os níveis dos aquíferos, o estado das reservas e a secura do solo, bem como as consequências desses fatores no abastecimento público de água.

A situação de seca obriga a Agência de Meio Ambiente e as empresas aquíferas a ampliar as ações para conter os impactos e articular planos contra a situação. A última declaração de seca foi em 2018.

A agência ambiental pediu às empresas de água que mantenham seu plano preventivo para proteger o abastecimento de água essencial diante de um possível outono seco.

As autoridades também pediram às instituições públicas e empresas privadas localizadas nas áreas afetadas que tenham muito cuidado com a gestão dos recursos hídricos, além de esperar que as empresas privadas atendam aos vazamentos e mantenham suas tubulações o mais rápido possível.

As altas temperaturas no Reino Unido exacerbaram as ameaças à vida selvagem e ao ambiente aquático do país, disse o governo britânico em comunicado.

"Atualmente, estamos enfrentando uma segunda onda de calor depois de termos o julho mais seco já registrado em algumas partes do país", disse o ministro das águas, Double.

A situação da ilha coincide com a da Espanha, que também declarou julho de 2022 como o terceiro mais seco de todo o século 21 e o mais quente do país desde que os registros começaram em 1961.

O Observatório Europeu da Seca alertou para 47% de seca em todo o território continental e 17% em condições alarmantes.

Apesar do desafio do verão quente de 2022, autoridades nacionais e da União Europeia têm chamado seus habitantes a economizar energia em sistemas como ar condicionado, além de desligar a luz elétrica em prédios públicos e privados, para conseguir um estoque de suprimentos para o inverno.

Isso porque, dadas as restrições impostas às fontes de energia russas em retaliação à operação militar especial que o Kremlin iniciou na Ucrânia em fevereiro de 2022, Bruxelas considera que é necessário chegar ao inverno com reservas energéticas suficientes para fazer frente às baixas temperaturas.

Espera-se que o frio aumente o consumo de energia de aquecimento, como o gás natural, em um momento em que os preços dos combustíveis dispararam devido às sanções contra o produto russo, em um cenário em que aliados da União Europeia, como os Estados Unidos, não foram capazes de garantir o abastecimento alternativo de gás natural ao continente.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 


 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email