3º maior jornal pede recuperação judicial no Paraná

Diário do Norte do Paraná, o terceiro maior jornal impresso do estado, teve autorizada a recuperação judicial; decisão da juíza substituta Mariana Pereira Alcântara dos Santos, da 1ª Vara Cível de Maringá, foi publicada nesta segunda-feira, 14, e marca a agonia dos impressos em todo o país, que estão em processo de acelerada extinção; Diário vinha atendendo na região aos interesses políticos e econômicos do governador Beto Richa (PSDB) e do ministro da Saúde Ricardo Barros (PP)

Diário do Norte do Paraná, o terceiro maior jornal impresso do estado, teve autorizada a recuperação judicial; decisão da juíza substituta Mariana Pereira Alcântara dos Santos, da 1ª Vara Cível de Maringá, foi publicada nesta segunda-feira, 14, e marca a agonia dos impressos em todo o país, que estão em processo de acelerada extinção; Diário vinha atendendo na região aos interesses políticos e econômicos do governador Beto Richa (PSDB) e do ministro da Saúde Ricardo Barros (PP)
Diário do Norte do Paraná, o terceiro maior jornal impresso do estado, teve autorizada a recuperação judicial; decisão da juíza substituta Mariana Pereira Alcântara dos Santos, da 1ª Vara Cível de Maringá, foi publicada nesta segunda-feira, 14, e marca a agonia dos impressos em todo o país, que estão em processo de acelerada extinção; Diário vinha atendendo na região aos interesses políticos e econômicos do governador Beto Richa (PSDB) e do ministro da Saúde Ricardo Barros (PP) (Foto: Aquiles Lins)

Do Blog do Esmael - Conta o jornalista e blogueiro Ângelo Rigon, de Maringá, que o terceiro maior jornal do estado — O Diário do Norte do Paraná — teve autorizada a recuperação judicial.m

A decisão da juíza substituta Mariana Pereira Alcântara dos Santos, da 1ª Vara Cível de Maringá, foi publicada nesta segunda (14) e marca a agonia dos impressos em todo o país — que estão em processo de acelerada extinção.

O Diário vinha atendendo na região aos interesses políticos e econômicos do governador Beto Richa (PSDB) e do ministro da Saúde Ricardo Barros (PP).

De acordo com Rigon, em seu excelente blog, a juíza aceitou o argumento de que "a queda na venda de assinatura e de exemplares avulsos dos jornais impressos, além da popularização do acesso à internet através dos smartphones e tablets, "que permitem acesso quase imediato a publicações e notícias, o que faz com que boa parte dos consumidores perca o interesse pela mídia física, cenário que afeta também outros meios de comunicação, como o rádio e a TV".

A Editora Central Ltda, responsável pelo O Diário, diz que cumpre função social em Maringá e região e destaca que está no ramo há 40 anos.

A quebra do Diário é somente mais um capítulo da anunciada morte dos jornais impressos que também já vitimou a Gazeta do Povo, de Curitiba, que era tido o maior do Paraná, e liquidou o Jornal de Londrina aos 26 anos. Agora, depois de 100 anos de papel, o grupo RPC aposta num blog.

O fim dos jornais impressos é uma inexorável tendência cujo epitáfio venho fazendo nos últimos anos (clique aqui para ler matéria de 1º de janeiro de 2013 sobre o tema).

Voltemos à vaca fria, isto é, para o caso O Diário de Maringá.

A justiça, que negou segredo de justiça no caso, determinou a intimação do Ministério Público, das Fazendas Públicas Federal e de todos os estados e municípios em que a devedora tiver estabelecimento, para fins de elaboração do quadro-geral de credores". EM 20 dias, com a apresentação do plano, o processo terá prosseguimento.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247