Abraji se solidariza a Glenn contra ataques de bolsominions

"A Abraji manifesta solidariedade ao jornalista Glenn Greenwald e à sua família, alvos de ataques abomináveis nas redes sociais. Quem persegue jornalistas ou fomenta essa prática rompe com o compromisso de civilidade que é a essência da democracia", postou a entidade em seu perfil nas redes sociais

Glenn Greenwald
Glenn Greenwald (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Glenn Greenwald recebeu solidariedade da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, diante dos ataques de grupos de extrema direita de que foi alvo. "A Abraji manifesta solidariedade ao jornalista Glenn Greenwald e à sua família, alvos de ataques abomináveis nas redes sociais. Quem persegue jornalistas ou fomenta essa prática rompe com o compromisso de civilidade que é a essência da democracia", postou a entidade. Confira o tweet e reportagem da Reuters sobre a Vaza Jato:

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux concedeu liminar nesta quinta-feira determinando que as mensagens de aplicativos de celular apreendidas com os hackers que teriam invadido celulares de autoridades sejam preservadas e que sejam remetidas, assim como uma cópia do processo, ao STF.

Na semana passada, depois da operação da Polícia Federal que prendeu quatro pessoas apontadas como responsáveis pelas invasões, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, procurou autoridades que também teriam sido hackeadas —entre elas o presidente Jair Bolsonaro— para informar do risco e, pelo menos ao presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, teria dito que as mensagens seriam destruídas.

A interferência do ministro, que mostrou ter informações sobre uma investigação que corre em sigilo de Justiça, foi bastante criticada. A liminar do ministro responde a uma medida cautelar impetrava pelo PT, pedindo o resguardo das mensagens.

Na decisão, Fux admite o risco de que a destruição das mensagens, consideradas como provas no caso e que também podem ser usadas pela defesa de réus citados em investigações, possa causar dano irreparável.

“Somente após o exercício aprofundado da cognição pelo colegiado será eventualmente possível a inutilizarão da prova por decisão judicial”, escreveu.

A decisão do ministro, liminar, precisa ser ratificada em plenário da Corte, mas vale até lá.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247