Advogados ouvidos por jornal confirmam que há caminhos legais para a candidatura Lula

O jornalista Eduardo Guimarães afirma em seu blog que o consenso em torno da legalidade da candidatura do ex-presidente Lula vai se tornando cada vez mais presente até nas mídias conservadoras; Guimarães menciona a resposta que Silvio Salata, presidente da comissão de direito eleitoral da OAB-SP, deu ao Estadão: “ele tem a seu favor a cláusula pétrea da presunção de inocência, ainda a ser avaliada no STF”

Advogados ouvidos por jornal confirmam que há caminhos legais para a candidatura Lula
Advogados ouvidos por jornal confirmam que há caminhos legais para a candidatura Lula (Foto: Jornalistas Livres)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Eduardo Guimarães afirma em seu blog que o consenso em torno da legalidade da candidatura do ex-presidente Lula vai se tornando cada vez mais presente até nas mídias conservadoras. Guimarães menciona a resposta que Silvio Salata, presidente da comissão de direito eleitoral da OAB-SP, deu ao Estadão: “Ele tem a seu favor a cláusula pétrea da presunção de inocência, ainda a ser avaliada no STF”.

"Há muito que se afirma que há espaço legal para o ex-presidente Lula ser candidato à Presidência em 2018. Apesar disso, a mídia vem garantindo que ele já é inelegível. A juíza teleguiada de Moro proibiu o ex-presidente de dar entrevista, decretando-o inelegível. Agora, porém, o jornal mais antipetista do país prova que Lula pode, sim, ser candidato.

Em maio, o especialista em direito eleitoral Luiz Fernando Pereira afirmou em reportagem do site Viomundo que não havia base jurídica para que se pudesse impedir a candidatura do ex-presidente Lula. Ele disse: “em relação a Lula existe hoje, quando muito, apenas uma inelegibilidade provisória – que pode ser revogada a qualquer tempo, mesmo depois da eleição” e acrescenta: “se o processo de registro (e a impugnação do registro) de Lula for o mais célere possível (apenas cumprindo os prazos mínimos), não termina no TSE antes da metade de setembro de 2018."

Leia mais aqui. 

 


Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247