Ao confessar o golpe, Temer restabeleceu a verdade histórica, diz Kennedy Alencar

"O impeachment de Dilma foi político e tramado por forças que a derrubaram buscando “provas” depois do “veredito”. Esta é a História real, e o grampo ilegalmente divulgado por Moro foi fundamental para matar a última tentativa da presidente de ficar no poder. A imprensa, como um todo, precisa olhar com mais coragem e honestidade para esse período histórico. Vai acontecer, como aconteceu com 64. Leva tempo mesmo", diz o jornalista Kennedy Alencar

(Foto: 247 | Reprodução)

Por Kennedy Alencar, em seu blog – Em entrevista ontem ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, o ex-presidente Michel Temer fez revelações que mudam a narrativa histórica sobre o impeachment da antecessora, Dilma Rousseff.


Ela foi impedida em 2016.

O próprio Temer usa a palavra “golpe” para se referir ao impeachment de Dilma.


Ele diz que, se o ex-presidente Lula tivesse assumido a Casa Civil em março de 2016, o impeachment não teria acontecido devido “ao bom contato” do ex-presidente com o Congresso.

Temer reitera não ter dúvida de que o prestígio de Lula perante o Legislativo teria evitado a queda de Dilma.


Uma operação de combate à corrupção não pode interferir assim na História de um país.


O Judiciário e o Ministério Público Federal não poderiam ter realizado uma trama política contra o então governo.

Foi o que a Lava Jato fez ao divulgar, ilegalmente, um grampo de uma conversa entre Lula e Dilma no dia 16 de março de 2016.


Tal conversa foi captada quando o prazo de gravação havia se esgotado e envolvia autoridade com foro especial no Supremo Tribunal Federal. Nunca poderia ter sido divulgada.

O então juiz Sérgio Moro e procuradores da República discutiram no Telegram o risco de suas atitudes e sabiam que não era legal a divulgação, como mostrou reportagem baseada no arquivo do “The Intercept Brasil”.

A avaliação de Temer no “Roda Viva” tem credibilidade porque ele foi o principal beneficiário da queda de Dilma e conversou com Lula, tendo sido grampeado pela Lava Jato, que escondeu deliberadamente a gravação que enfraquecia a tese de que o ex-presidente queria ser ministro para obter foro no STF e fugir de Curitiba.

Temer restabeleceu a verdade histórica. Fica claro que houve, sim, golpe parlamentar, expressão que sempre foi usada neste blog e nos comentários na rádio CBN em relação ao impedimento.


A tese de golpe foi negada por parcela do país. E agora, José?

Tornou-se evidente o papel de Moro e da Lava Jato na derrubada de Dilma, o que foi uma interferência política ilegal do Judiciário no Executivo.


Numa democracia plena, isso não poderia ter ocorrido.

O relato de Temer ao programa apresentado pela jornalista Daniela Lima tem forte peso histórico.


Ele deixa claro que o motivo para Lula ser indicado para a Casa Civil destrói o argumento da Lava Jato, de Moro e também do STF (Supremo Tribuanl Federal) para impedir que o petista assumisse o posto.

*

Flagrante ilegalidade

Outro ponto importante do dia de ontem: é flagramentemente ilegal a revelação de que os procuradores Deltan Dallagnol e Thaméa Danelon se dispuseram a fazer minuta para o advogado Modesto Carvalhosa pedir o impeachment do ministro do STF Gilmar Mendes.

Imagine um cidadão ser processado e o Ministério Público se dispor a redigir peças de um advogado de acusação.


Mais: Dallagnol diz no Telegram que ninguém pode saber sobre o que ele e Danelon planejavam fazer. Ora, esconderam porque era ilegal o que discutiam no aplicativo. Trataram de processo penal no Telegram, fora dos autos, para tramar contra um ministro do Supremo.

É óbvio que o material do “The Intercept Brasil” é verdadeiro.


Tambem é escandaloso que Dallagnol e Danelon respondam que não comentariam assuntos oriundos de crime de hackeamento.


Parecem os primeiros acusados da Lava Jato dando versões falsas sobre os seus atos.


Parece que a Lava Jato nunca vazou nada.


Ora, já ficaram insustentáveis as versões apresentadas por Moro, Dallagnol e outros procuradores sobre esses diálogos no Telegram, revelados pelo jornalista Glenn Greenwald.

Não enxergar a gravidade desses fatos e o interesse público inerente são atitudes inaceitáveis em uma democracia plena.


Tal tolerância ocorre em república de bananas. A lei e o jornalismo devem valer para todos.

A Lava Jato manipulou a opinião pública e a imprensa no episódio do grampo de Lula-Dilma.


Mudou a História do Brasil, abrindo caminho para um desarranjo institucional que jogou o país nas mãos de Jair Bolsonaro.


Moro e cia têm essa responsabilidade histórica que nunca será apagada.


O documentário “Brasil em Transe” dá modesta contribuição para entender melhor o momento grave que o país viveu entre 2013 e 2018. Vejam aqui.

PS – Temer usou, sim, a palavra golpe para se referir ao impeachment.

Temer usou, sim, a palavra golpe para se referir ao impeachment na hora em falou do papel de Lula, que evitaria o impedimento.


Noutro trecho, ele julgou o processo constitucional. Foi o que ele sempre disse.


Golpe parlamentar acontece quando forças políticas decidem derrubar um presidente pelo conjunto da obra e buscam provas para lá de controversas. Houve um golpe parlamentar.

É mentira histórica passar pano para isso ou tentar amenizar o que aconteceu.


O impeachment de Dilma foi político e tramado por forças que a derrubaram buscando “provas” depois do “veredito”.


Esta é a História real, e o grampo ilegalmente divulgado por Moro foi fundamental para matar a última tentativa da presidente de ficar no poder.


A imprensa, como um todo, precisa olhar com mais coragem e honestidade para esse período histórico. Vai acontecer, como aconteceu com 64. Leva tempo mesmo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247